Durante a visita ao local da tragédia na BR-376, em Guaratuba, no litoral do Paraná, nesta quinta-feira (1), o governador, Carlos Massa Ratinho Junior, comentou que o ponto da Serra do Mar onde houve o deslizamento de terra não era uma área de risco. Segundo o governador, o que aconteceu foi um deslizamento na parte de cima do morro. 

Foto: Albari Rosa/AEN.

A informação do governador do Paraná foi atribuída por ele a alguns geólogos que estão monitorando o local onde houve a tragédia. Ainda assim, Ratinho Junior não diminuiu o que aconteceu.

“Muitas vezes na foto e na filmagem, não se tem noção. Foi uma tragédia gigantesca não só em termos de vida, mas também no impacto ambiental. Ali não era uma área de risco, estava falando com alguns geólogos que estão fazendo o monitorando, o que houve foi um deslocamento de uma parte do morro, na parte de cima, atrás, que empurrou toda aquela montanha de terra para baixo com esse encharcamento no topo do morro”. 

explicou o governador Ratinho Junior

O objetivo agora é que o monitoramento dos geólogos continue, para dar mais segurança para os bombeiros continuarem trabalhando e, segundo Ratinho Junior, num prazo mais rápido possível poder voltar a normalidade.

“Foi feito o trabalho na madrugada onde se retirou uma ‘piscina’ de água que tinha em cima do morro. Isso colocava em risco o trabalho dos bombeiros, porque poderia haver um desmoronamento ainda maior devido ao peso de água em cima do morro. Hoje, com o tempo mais firme, a operação não pára em nenhum momento, 24h trabalhando. Nosso desejo é que tenha o menor número de mortes possível ali, mas ainda o trabalho é muito intenso”. 

comentou o governador Ratinho Junior

Trabalho na BR-376

A operação de resgate e limpeza do local já dura mais de 50 horas ininterruptas. Ratinho Junior destacou o trabalho das equipes. Durante a madrugada desta quinta, os técnicos conseguiram avançar na limpeza da pista no sentido Norte, o que deve permitir o avanço na operação. 

Até o momento, cerca de 7 mil metros cúbicos de massa terrosa foram retirados do local, conforme informa o boletim divulgado às 10h30 pelo gabinete de crise que acompanha a ocorrência. 

“São 54 homens trabalhando, a equipe mais especializada do Corpo de Bombeiros está aqui. E a nossa torcida é para que a gente possa terminar o quanto antes esse trabalho para que a gente volte a normalidade do trânsito na rodovia, que é muito importante para a ligação do Paraná e Santa Catarina e que consigamos ter o menor prejuízo de vidas nesse processo”. 

concluiu o governador Ratinho Junior
Foto: Albari Rosa/AEN.

A área conta com uma extensão de aproximadamente 4 mil e 500 metros quadrados e o volume de terra a ser removido tem aproximadamente 5 mil metros cúbicos. No ponto mais sensível há bombeiros, cães de buscas e o maquinário da concessionária. 

A Polícia Científica continua ajudando nos trabalhos de levantamento de possíveis desaparecidos. Agora que grande parte da massa de terra da parte superior do incidente foi removida, a estimativa de potenciais vítimas foi reduzida para menos de 30 pessoas

Apoio aos familiares

Por conta do grande volume de terra, ainda não é possível especificar com exatidão a quantidade de veículos e vítimas que podem estar soterrados no local.

Familiares e amigos de pessoas que eventualmente possam ter desaparecido nesse local podem entrar em contato com a Central de Atendimento da Polícia Científica, pelo telefone (41) 3361-7242. 

O serviço funciona 24 horas. Além disso, outras informações sobre o evento podem ser obtidas pelo telefone do Centro de Operações Cidade da Polícia – 0800-282-8082.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

‘Ponto onde houve deslizamento de terra não era uma área de risco’, diz governador em ida à BR-376

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.