Cientistas sul-coreanos desenvolveram um arroz cor-de-rosa, cultivado em laboratório com células de músculo e gordura de vaca dentro dos grãos.

As células da carne então crescem na superfície e dentro dos grãos de arroz - Foto: Divulgação/Yonsei University
As células da carne então crescem na superfície e dentro dos grãos de arroz – Foto: Divulgação/Yonsei University

O arroz híbrido, chamado de “arroz bovino”, poderia oferecer uma fonte de proteína mais barata e ambientalmente mais sustentável, com uma pegada de carbono muito menor do que a carne vermelha, dizem os pesquisadores.

“Imagine obter todos os nutrientes que precisamos a partir de um arroz cultivado com células de proteína animal”, escreveu a autora principal do estudo, Sohyeon Park, em um comunicado divulgado nesta quarta-feira (14), quando o estudo foi publicado na revista científica Matter. “O arroz já tem um alto nível de nutrientes, mas adicionar células de proteína animal pode aumentá-lo ainda mais”.

Para criar o arroz híbrido, os cientistas cobrem o arroz com gelatina de peixe, auxiliando as células da carne a aderirem melhor. Em seguida, inserem células-tronco de músculo e gordura de vaca nos grãos de arroz, cultivados em uma placa de Petri.

Os animais possuem estruturas biológicas microscópicas que facilitam o crescimento celular para formar tecidos e órgãos. Os grãos de arroz têm uma estrutura porosa e organizada que imita essas estruturas, além de conter moléculas nutritivas para sustentar o crescimento celular, como indicado pelo estudo.

As células da carne então crescem na superfície e dentro dos grãos de arroz. Após aproximadamente 9 a 11 dias, o resultado final é alcançado —descrito no estudo como “algo como um sushi de microcarne”, apresentando uma textura, perfil nutricional e sabor distintos dos grãos de arroz convencionais.

Segundo o estudo, a descoberta é um novo ingrediente alimentar que pode “superar a crise alimentar da humanidade”. Novas soluções são críticas para que possamos superar “as crescentes preocupações com a saúde, os riscos de doenças infecciosas, as alterações climáticas e a escassez de recursos”, dizem os pesquisadores.

Segundo o estudo, o produto utiliza ingredientes seguros e acessíveis, tornando sua produção e armazenamento fáceis. Além disso, é mais econômico em comparação com a carne convencional. Segundo os cientistas, o quilo do “arroz bovino” pode custar até seis vezes menos que um quilo de carne magra.

O arroz bovino permanecerá em desenvolvimento para melhorar seu valor nutricional, textura e sabor. Park tem esperanças de que um dia o arroz híbrido possa ser distribuído em supermercados.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Cientistas coreanos criam ‘arroz bovino’ para substituir carne vermelha

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.