O medo afeta praticamente todo ser humano e talvez seja fundamental sentir medo para se sentir humano. Algumas fobias são bastante comuns, como o medo de altura, o pavor de ficar em ambientes fechados ou ainda a impossibilidade de se chegar perto de algum animal. Outros temores, porém, acabam por ser um impeditivo para garantir a boa saúde ou qualidade de vida, o que exige um esforço ainda maior.

Imagem ilustrativa

A odontofobia é um deles. Nos Estados Unidos, por exemplo, estima-se que de 9% a 15% da população evita ir ao dentista por ansiedade e medo. Por lá, são mais de 30 milhões de pessoas que optam por não ir ao dentista para não sentir a tensão da espera do consultório odontológico.

As causas do medo são diversas, mas a dra. Josy Rezende, que tem mais de 30 anos de experiência em reabilitação oral, explica que normalmente ele está relacionado a algum trauma. “É algo que surge na infância, na adolescência ou mesmo na fase adulta e, a partir disso, o dentista se torna um vilão. A pessoa passa a ter pavor, suar frio e tremer com o simples contato com a cadeira odontológica e é preciso que façamos algo para deixar a pessoa o mais relaxada possível”, explica.

Diante da ansiedade em um ambiente odontológico, pacientes fóbicos, podem apresentam taquicardia, aumento da frequência respiratória, sudorese e até mesmo náuseas.

Dra. Josy Rezende está acostumada com o medo e recomenda a sedação

Entre as causas desse medo pode estar a dor, o sentimento de perda do controle ou ainda o constrangimento. No último caso, o medo surge justamente pela vergonha de expor a outra pessoa a sua condição bucal.

Quando tem odontofobia, a pessoa deixa de lado por anos sua rotina de cuidados com os dentes e a boca. E, por conta disso, acaba convivendo com doenças, dentes quebrados e até mesmo com uma aparência ruim.

É visando solucionar este problema, que algumas opções de tratamentos começam a surgir como alternativa para o medo de dentista. A sedação consciente é uma dessas armas de combate e que tem ganhado cada vez mais destaque no meio. Sem afetar a habilidade de respirar, responder a estímulos ou de responder a comandos verbais, a sedação consciente é uma técnica que permite a diminuição do nível de consciência do paciente.

Segundo a dra. Josy Rezende, o tratamento se diferencia da anestesia geral pelo nível de consciência do paciente. “Com a sedação, você parece que tirou aquele soninho gostoso vendo televisão. É uma alternativa que tira a noção do tempo e que deixa relaxado, mas que mantém a consciência. Durante o procedimento, a pessoa responde a todas as solicitações do profissional. Acontece muito de você pensar que o tratamento dentário está começando, quando na verdade já está no fim”, relata.

Além disso, por se sentir mais relaxado durante o procedimento, o paciente terá um pós operatório melhor e uma recuperação mais rápida.

Mais informações sobre a sedação você pode conseguir agendando uma avaliação pelo telefone 0800 765 5574, WhatsApp 99277-9543 ou ainda pelo site www.oralsincuritiba.com.br.