O Hospital Oswaldo Cruz, em Curitiba, vai abrigar um projeto-piloto de testagem de profissionais da área da saúde e da segurança pública contra a Covid-19. Também serão envolvidos servidores das estruturas da saúde que trabalham com vigilância, limpeza ou na área administrativa.

O método utilizado será o RT-PCR. Esse exame identifica a presença do vírus no organismo do paciente e é feito a partir da coleta de material genético com swabs (cotonetes flexíveis) nas vias respiratórias. A expectativa é começar o processo na primeira quinzena de maio.

Os testes serão aplicados por profissionais do Complexo Hospitalar do Trabalhador (CHT) e os exames serão processados na Unidade de Apoio para Diagnóstico da Covid-19, parceria do Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná), Fiocruz e Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP).

Foto: Jose Fernando Ogura/AEN

O governador Carlos Massa Ratinho Junior disse que o objetivo é ampliar ainda mais a testagem no Paraná e auxiliar os profissionais que estão na linha de frente do combate contra o novo coronavírus. “O Estado dará atenção especial para os trabalhadores, eles precisam dessa segurança para continuar desempenhando essa função tão vital nesse momento”, afirmou.

CONTROLE – O programa desenhando pela Secretaria de Estado da Saúde permitirá testes em profissionais com quadro gripal ou algum tipo de sintoma da doença. Esse mapeamento ajudará a diagnosticar casos leves e a ampliar o controle sobre a circulação viral. Os exames também indicarão a necessidade de eventuais reposições desses trabalhadores se houver afastamento para cumprir quarentena.

“Com esse projeto estamos ampliando a atenção para os profissionais da rede pública e da rede privada, além daqueles que trabalham com segurança pública e precisam estar nas ruas”, disse o secretário estadual de Saúde, Beto Preto.

De acordo com ele, inicialmente a testagem vai englobar os 29 municípios da Região Metropolitana de Curitiba, servidores que atendem um universo de mais de 3 milhões de paranaenses. “Traremos mais tranquilidade a eles para fazer o enfrentamento contra essa pandemia”.

Geci Labres Souza Júnior, diretor-superintendente do CHT, explicou que o projeto-piloto deve ser replicado em todo o Estado em breve. “Vamos acertar os fluxos, o cadastramento e a logística em Curitiba, aproveitando o amplo espaço do Hospital Oswaldo Cruz, e depois começar esse modelo nas demais regionais. É um passo importante para diagnóstico muito mais preciso em todo o Estado, além de ajudar a proteger os nossos profissionais”, complementou.

COMO VAI FUNCIONAR – O Governo do Estado está desenvolvendo uma plataforma online para que as instituições de saúde (públicas e privadas) e as forças de segurança possam se cadastrar. Nesse espaço, as próprias instituições vão informar os profissionais que se enquadram em casos que podem ser indicados como o novo coronavírus.

Uma vez cadastrados, esses profissionais receberão uma data para comparecer no Hospital Oswaldo Cruz. Na unidade, será montada uma tenda para atender exclusivamente os pacientes com horário marcado.

O processamento será realizado na Unidade de Apoio para Diagnóstico da Covid-19, localizada no Parque Tecnológico do Tecpar, no campus CIC, em Curitiba. A estrutura recém-inaugurada será referência no diagnóstico molecular para a Região Sul.

O método RT-PCR é chamado de padrão-ouro para detectar a circulação viral. A orientação do Ministério da Saúde é para que ele seja realizado nos primeiros dias de sintomas. Seu índice de acerto é considerado alto, de cerca de 90%. O tempo mínimo de análise é de 12 horas.