Uma notícia, anunciada na noite da sexta-feira (23), mobilizou a torcida do Coritiba: Alef Manga seria reintegrado ao elenco a partir desta segunda-feira (26). Mas o anúncio do clube, feito pelas redes sociais, acabou sendo compreendido como uma “cortina de fumaça” diante da vexatória eliminação para o Águia de Marabá na Copa do Brasil. Ainda mais depois da repercussão externa, que ainda não terminou.

Isto porque o Coritiba admitiu que precisa consultar o Superior Tribunal de Justiça Desportiva para realmente reintegrar Alef Manga ao clube. No anúncio da sexta, o clube informou que havia reativado o contrato do atleta e o inscrito no Campeonato Paranaense, ações que não ferem o Código Brasileiro de Justiça Desportiva. Em relação ao retorno do camisa 11 ao CT da Graciosa, a interpretação do Coxa não bate com a dos advogados do atleta.

Dizendo estar embasado “na legislação vigente e em parecer jurídico desportivo emitido por renomado escritório”, o Coritiba alega que o artigo 172 do CBJD não fala sobre impedimento à presença em centros de treinamento. “A deliberação de reintegração do atleta às atividades do departamento de futebol profissional está em conformidade com o disposto no artigo”, garantiu o clube na nota oficial. É uma mudança de posição ao que o próprio Coxa fez desde que Alef Manga voltou do Chipre – ele segue treinando em uma academia de Curitiba.

Advogados de Manga veem diferente do Coritiba

Em nota à imprensa, o advogado Leonardo Levy, da Luna & Fomm, escritório responsável pela defesa de Alef Manga, demonstrou visão oposta à do Coritiba. “O atleta está oficialmente desautorizado a participar de qualquer atividade relacionada ao futebol profissional ou treinamentos nas dependências do Clube ou de qualquer outra instituição esportiva. (…) Qualquer retorno às atividades esportivas deve ser precedido pela autorização e deliberação do STJD”, resumiu Levy.

Por isso, o Coritiba envia nesta segunda um pedido de esclarecimentos ao tribunal. Em entrevista à rádio Transamérica antes da derrota para o Cascavel, o CEO do clube, Carlos Amodeo, negou que o tema Alef Manga foi uma cortina de fumaça. E reiterou que a inscrição no Paranaense e a reativação do contrato são decisões que não passam pelo STJD. Mas, prudentemente, não falou sobre a reintegração do atacante, justamente o ponto crucial que pode gerar novos problemas para o Coxa.

Alef Manga, atacante do Coritiba.
Alef Manga segue afastado da rotina do Coritiba. Foto: Reprodução/Instagram

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Coritiba admite que precisa de aval do STJD para reintegrar Alef Manga

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.