Paulo Autuori. (Fábio Wosniak/Athletico)

O surto de Covid-19 que tirou 11 jogadores das últimas partidas do Athletico prejudicou todo o planejamento do técnico Paulo Autuori. Após a derrota por 3 a 0 para o Palmeiras, o treinador explicou que a intenção era fazer um rodízio em meio a maratona de jogos por Campeonato Brasileiro e Libertadores.

“Tem que ter espírito de sacrifício muito grande para superar esse desgaste físico e mental. Tem jogador com mais de 20 jogos que precisava descansar, mas não temos opções. Esses jogadores que precisaríamos dar um descanso, os demais da posição tiveram Covid-19 e o Carlos Eduardo e o Richard se lesionaram. Vamos em frente com tranquilidade para não perder a capacidade de pensar e ter lucidez para tomar as melhores decisões para o jogo de terça-feira”, comentou o treinador.

Autuori, entretanto, não quer lamentar os desfalques e sabe que os problemas vão se repetir para a partida da Libertadores contra o River Plate. “O meu problema não é nem relação à equipe que pode começar, mas na sequência de jogos. A gente sabe o esforço que se fez para sair daquela situação, tanto física, quanto mental. Um jogo bastante exigente contra o River Plate, com um jogador a menos desde os 20, 25 minutos e tem um preço a pagar. O cenário não vai se alterar muito em relação às opções, mas não quero lamentações e já falei com os jogadores”, disse.

Para o compromisso da Libertadores, os 11 jogadores com Covid-19 – goleiros Santos, Jandrei e Léo Linck, lateral-direito Khellven, zagueiros Felipe Aguilar e Zé Ivaldo, lateral-esquerdo Abner Vinícius, volante Jaime Alvarado,  meia Fernando Canesin e atacantes Geuvânio e Nikão – seguem de fora. O volante Richard e o atacante Carlos Eduardo, que ficaram de fora da derrota para o Palmeiras por lesão, são dúvidas. Além disso, o clube ainda aguarda os resultados da nova bateria de testes do novo coronavírus.