Foto: SMCS

 

A Secretaria Municipal da Defesa Social e Trânsito deflagrou, na manhã desta quinta-feira (21/9), a segunda edição da Operação Arapuca, destinada a reprimir a prática dos chamados fura-catracas – aqueles que entram no ônibus sem pagar a tarifa. Doze adolescentes foram encaminhados à Delegacia do Adolescente, após serem retirados dos ônibus biarticulados por equipes da Guarda Municipal. Fiscais da Urbs deram apoio à operação.

A ação ocorreu em duas estações-tubo localizadas no bairro Capão da Imbuia: Del. Amazor Prestes, onde oito adolescentes embarcaram sem pagar a passagem, e Professora Maria Aguiar Teixeira, na qual outros quatro adolescentes furaram a catraca. Os adolescentes flagrados nesta manhã têm idade entre 14 e 17 anos.

Na Delegacia do Adolescente, assinaram boletim de ocorrência circunstanciado e aguardaram os pais e responsáveis para serem liberados.

“O trabalho foi muito bem visto pela população, inclusive com aplausos de muitos passageiros”, disse o secretário da Defesa Social e Trânsito, Guilherme Rangel. Ele acrescentou que ações similares para inibir essa prática delitiva continuarão ocorrendo. “Temos o levantamento das estações-tubo em que esse problema mais ocorre e vamos continuar atuando”, reforçou.

O setor das empresas de transportes aponta que invasões de ônibus de pessoas que não pagam a tarifa geram um prejuízo de cerca de R$ 500 mil por mês – mais de R$ 6 milhões por ano – ao sistema de transporte público de Curitiba.
O preço da tarifa do transporte coletivo é definido pela Urbs com base no número dos passageiros pagantes. Os fura-catracas não entram na conta e acabam encarecendo o valor que todos os passageiros regulares pagam.

Em Curitiba, cerca de 16 mil estudantes têm direito ao passe escolar, ou seja, pagam 50% do valor da tarifa (R$ 2,12).

Segunda edição

A primeira Operação Arapuca ocorreu no dia 29 de agosto, quando 20 adolescentes foram detidos por furar a catraca na estação-tubo Morretes, em frente ao Colégio Estadual Pedro Macedo, no bairro Portão.