Quando saí da maternidade, lembro que recebi a carteirinha de vacinação do meu filho já com dois carimbos que comprovavam que ele tinha sido imunizado contra a tuberculose e a hepatite B. Eu sabia que a meta era encher aqueles quadradinhos todos com as mais diversas vacinas – pólio, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, coqueluche, meningite, pneumonia. A minha única dúvida era se o que o SUS oferecia de forma gratuita era da mesma qualidade que as vacinas da clínica particular – “sim, com certeza”, garantiu o pediatra do meu filho. Dependendo do orçamento do mês e do calendário vacinal, eu decidia se pagava por uma vacina que protegia contra mais vírus do que aquela oferecida pelo posto de saúde ou se meu filho ia tomar a gotinha da pólio, feita com o uso de vírus atenuado, ou a injeção, fabricada com o vírus inativo.

Foto: Reprodução

 

Nunca passou pela minha cabeça a possibilidade de não vacinar e sequer imaginava há nove anos, quando ele nasceu, que alguns pais não vacinam as crianças, às vezes escolhem quais vão ou não dar, subvertem o calendário (já que há épocas em que as crianças tomam muitas picadas na mesma época), duvidam da imunização ou defendem a tese de que há um forte interesse da indústria farmacêutica ao se lançar mais e mais vacinas. Eu só descobri que o tal movimento antivacina existia e era relativamente relevante quando participei de alguns grupos de mães nas redes sociais (que são ótimos e já me ajudaram muitas vezes, importante dizer isso). Mas foi lá que eu vi pela primeira vez gente ligando imunização ao autismo, por exemplo, e também assisti a quem desmentisse frontalmente essa tese (nascida de uma falsa pesquisa publicada por um médico que já teve seu registro até cassado, leia aqui e aqui). Quando eu entrava nesses papos, meio incrédula, mais assistia do que argumentava ao perceber que a treta parto normal x cesárea pode parecer brincadeira de criança perto da discussão “vacinar ou não vacinar”.

Mas onde isso começou, como essa ideia se retroalimenta e atinge tantas pessoas? Uma pesquisa encomendada ao Ibope pela comunidade de mobilização online Avaaz e pela Sociedade Brasileira de Imunizações ouviu duas mil pessoas em todo o país e apontou alguns caminhos. Tive acesso a esses dados essa semana e logo pensei estar diante de uma boa notícia quando li que os antivacina são minoria no Brasil – 87% dos adultos com mais de 16 anos disseram aos pesquisadores que nunca deixaram de se vacinar ou de vacinar uma criança que está sob os seus cuidados. Os ‘não-vacinantes’ são “apenas” 13% dos entrevistados – e as aspas no advérbio são justificadas pelo fato desse número representar estatisticamente um universo 21 milhões de pessoas, um pouco mais que a população do Chile. O que aconteceria se todos os habitantes de um país desse tamanho simplesmente decidissem não se vacinar? Pois é.

O impacto das redes sociais na vida contemporânea começou a ser estudado há pouco e ainda é difícil mensurar as consequências da circulação de informações enviesadas ou falsas nessas plataformas, mas os pesquisadores apontam que as atitudes e percepções negativas e errôneas sobre vacinas foram mais comuns entre os entrevistados que citaram YouTube, Facebook e WhatsApp como fonte de informação. Surpresa? Nenhuma. Basta abrir os jornais diariamente para ler reportagens e mais reportagens sobre o papel das redes sociais nos movimentos de manipulação, desinformação e ódio contemporâneos.

Depois que a pesquisa feita pelo Ibope sinalizou que as notícias falsas sobre vacinas têm influenciado os brasileiros, a Avaaz mergulhou mais fundo e foi investigar quais eram as principais fake news sobre o assunto e de onde vinham: o estudo inicialmente se debruçou em uma amostra de 30 notícias falsas já checadas e desmentidas por agências de fact-checking e pelo Ministério da Saúde e que se multiplicaram com a ajuda do YouTube (pelo menos 2,4 milhões de visualizações) e pelo Facebook (23,5 milhões de pageviews e 578 mil compartilhamentos). Em uma análise mais aprofundada dos vídeos antivacina, foram encontradas as 69 produções mais assistidas e compartilhadas que atingiram, só no YouTube, 9,2 milhões de visualizações e 40 mil comentários (importante lembrar que esses vídeos também são compartilhados pelo WhatsApp mas, pela política da plataforma, não é possível mensurar quantas vezes essas produções foram repassadas). A Avaaz descobriu que metade da amostra de fake news corrigida pelos verificadores brasileiros foi traduzida literalmente ou escrita com base em informações em inglês originalmente publicadas nos Estados Unidos.

Esse novo estudo revelou, ainda, que de 2016 para cá, as páginas que mais geraram interação nas redes sociais foram: “Cruzada Pela Liberdade” (762 mil interações / 350 mil seguidores); o grupo “O Lado Obscuro das Vacinas” (64 mil interações / 13 mil membros / mais de 1.970 posts); e “Contra Nova Ordem Mundial” (54 mil interações / 22 mil seguidores). E as desinformações mais recorrentes são: a crença de que as vacinas obrigatórias são um plano secreto e maligno da nova ordem mundial para dominar a sociedade; a tal relação entre vacinas e autismo; alegações de que metais nocivos, como mercúrio, estão presentes em vacinas em alta dosagem; e argumentos de que as vacinas prejudicam o corpo, enquanto terapias e produtos naturais seriam “a verdadeira maneira de prevenir doenças”.

O movimento antivacinação foi incluído recentemente pela Organização Mundial de Saúde em seu relatório sobre os dez maiores riscos à saúde global. De acordo com a OMS, ele ameaça reverter o progresso alcançado no combate a doenças evitáveis por imunização. E o resultado dessa onda de desinformação e fake news está aí para quem quiser ver. A onda antivax proporcionada grandemente pelas notícias falsas (mas não só, bom dizer) já mostra as suas garras com a volta do sarampo em vários países onde ele não dava as caras há décadas. Os surtos dessa doença, que é altamente contagiosa, aumentaram 300% no mundo nos primeiros três meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2018. E o Brasil está entre os países que mais tiveram casos de sarampo na comparação entre 2017 e 2018, perdendo apenas para Ucrânia e Filipinas. Só em São Paulo, já são mais de 11.500 casos e quatorze mortes. Se os terraplanistas só provocam risos, os antivacina provocam mortes. Muitas. Principalmente de crianças e pessoas que por motivos de saúde não podem tomar a vacina – o que não é nada engraçado, mas sim uma verdadeira tragédia que precisa ser combatida com urgência.