(Foto: Reprodução)

 

Há quase dois anos, Milly Tuomey, de 11 anos, foi encontrada em estado crítico pelos pais em casa, logo após o jantar. A irlandesa, que tentou suicídio, foi levada às pressas ao Our Lady’s Children’s Hospital, no povoado de Crumlin, em Dublin, mas não sobreviveu. Em seu corpo, foi encontrada a frase: “meninas bonitas não comem”.

Recentemente, após anos analisando o caso, as autoridades locais encarregadas da investigação comprovaram que a menina tinha distúrbios alimentares e se matou por não ter “um corpo ideal”.

“Ficamos aterrorizados(…) Não sabíamos o que fazer”, revelaram Fiona e Tim Tuomey, pais de Milly, quando descobriram que a filha escondia um diário suicida embaixo da cama. A descoberta veio pouco tempo antes da tragédia.

Aos 11 anos, uma garota sofria secretamente por não ter o corpo que via nas revistas, na TV, nas redes sociais. O corpo que ela não via nos desfiles de moda. Aos 11 anos (ou em qualquer outra idade), essa era a última coisa que deveria incomodar a pequena Milly, que deveria estar brincando, se divertindo com as amigas, se preocupando com as provas escolares e com a adolescência, que estava prestes a chegar.

Para ler a matéria completa na Revista Capricho clique aqui.