Athletico vai disputar dois jogos no Torneio de Verão. (Divulgação)

O Athletico já está em solo argentino para a disputa do Torneio de Verão, chamado oficialmente de Copa Schneider San Juan, contra Racing, nesta quarta-feira (15), às 22h, e Boca Juniors, no próximo domingo (19), no mesmo horário. Os dois jogos serão disputados no Estádio Del Bicentenário, na cidade de San Juan, e terão cobertura in loco da Banda B.

O Torneio de Verão é disputado desde 1968, quando o Vasas, da Hungria, e o San Lorenzo, da Argentina, conquistaram a Copa Ciudad de Mar del Plata e Copa Libertad, respectivamente. De acordo com o comentarista Lucho Silveira, especialista em futebol argentino, a competição é importante para a intertemporada dos clubes argentinos e também para fomentar a economia do litoral. “O Torneio de Verão é super tradicional e serve há muito tempo como preparação para o que vem pela frente no ano, mas não na temporada. A temporada na Argentina segue o molde do calendário europeu e estamos um pouco mais adiante da metade do Campeonato Argentino”, explicou.

“O Torneio de Verão também serve para fomentar o litoral argentino, que não é muito badalado. Quem fica por lá, vai para Mar Del Plata, onde são disputados os principais clássicos. Como o Campeonato Argentino muda, o Torneio de Verão acaba mudando também. Ano passado não teve o Superclássico e esse ano não tem também. As sedes estão sendo redistribuídas e atendem a outras regiões do país. Além disso, os estrangeiros também estão participando. É uma forma de aquecer, saber o real potencial de suas equipes, fomentar a economia e se medir diante de adversários importantes”, acrescentou o comentarista.

A competição já mudou de formato em diversas vezes e também teve a participação de diversas equipes de fora da Argentina. O mais inusitado foi quando as seleções da Tchecoslováquia, Hungria e Polônia participaram em 1979, 1980 e 1986, respectivamente. A seleção argentina também participou da competição em 1977, quando venceu o Boca Juniors por 1 a 0, em preparação para a Copa do Mundo de 1978. Entre os clubes brasileiros, o Palmeiras levantou o troféu de 1972.

Em 2020, o Torneio de Verão está sendo disputado na província de San Juan, no noroeste argentino, e começou no último sábado (11) com a vitória do Talleres contra o San Lorenzo por 3 a 1. Ainda teve no domingo (12) a vitória do Universitário-PER por 2 a 1 diante do Huracán.

Além dos jogos do Athletico contra Racing e Boca Juniors, o evento ainda conta com mais uma partida ainda a ser disputada entre Boca Juniors e Universitário-PER, na próxima quinta-feira (16), às 22h.

Como estão os adversários do Athletico?

Racing

O primeiro amistoso do Athletico será contra o Racing, atual campeão argentino e que tem mudança no comando técnico. Eduardo Coudet trocou o clube no final do ano passado pelo Internacional, e a aposta foi em Sebastián Becacecce, especulado no Athletico em dezembro e ex-auxiliar de Jorge Sampaoli.

De acordo com Lucho Silveira, o Racing não teve muitas contratações e a aposta na base que conquistou resultados importantes em 2019. “O técnico do Racing é o Sebástian Becacecce, que foi especulado no Athletico e ex-auxiliar do Sampaoli. Tem uma expectativa nele que ainda não foi cumprida. Ele teve duas oportunidades em times grandes (Universidad de Chile e Independiente) e não virou. Agora, ele tem a chance de mostrar todo seu valor, mas não teve grandes contratações, diferente do que foi no Independiente. O Racing estava mais armado, tem algumas referências como Lisandro López, o ótimo Zaracho, o zagueiro Sigali. Em contrapartida, perdeu Donatti para o San Lorenzo e ainda pode perder o Cristaldo”, analisou.

Boca Juniors

Já o Boca Juniors também teve mudança no comando técnico e trouxe novamente o experiente Miguel Ángel Russo, campeão da Libertadores de 2007. “O Boca Juniors é uma incógnita ainda maior. Se o plantel está praticamente mantido, pouca gente saiu e ninguém chegou, tem a grande expectativa de saber como será o comando de Riquelme, eleito o segundo vice-presidente e homem de futebol. Ele trouxe o seu técnico campeão da Libertadores de 2007, Miguel Ángel Russo, que ainda não teve muito tempo para trabalhar”, disse Lucho Silveira.

“Muitas coisas também precisam ser acertadas no Boca Juniors, como destino de Tévez, quem será o companheiro de ataque do Ábila ou se vai ter outro camisa 9, como vai funcionar a mecânica ofensiva. Os destaques são o Andrada, que está jogando uma barbaridade e é goleiro de seleção, uma dupla de zaga que deve se sair pouco melhor com Izquierdoz e Lisandro López, e o Fabbri é um jogador interessante pelo lado esquerdo. Precisa ver a mecânica do camisa 10, que hoje é o MacAlisster, emprestado somente até o meio do ano, e o Boca tenta trazer o Cardona. No ataque, o Boca tem o Zárate, o Sálvio e o Villa, jogadores experientes e de velocidade, mas que não encontram um grande parceiro com a camisa 9”, acrescentou o comentarista.