Oromar e Mandrake estão entre os maiores jogadores da história do Rio Branco. (Foto: www.leaodaestradinha.com.br)

A Banda B segue elegendo os maiores de cada clube e vai para outros clubes do futebol paranaense. Com o auxílio dos profissionais de imprensa de Paranaguá, confira os cinco grandes jogadores da história do Rio Branco Sport Club.

O único jogador que apareceu em todas as listas foi o meia Odair. Ele é considerado em Paranaguá como o maior ídolo da história do Rio Branco.

Três jogadores dividiram a segunda colocação: o meia Oromar, com passagem pelo Coritiba, o lateral Calé e o atacante Mandrake. De acordo com o repórter Carlos Mendes, da rádio Litoral Sul, Mandrake era ‘”melhor que Pelé”.

Já o quinto colocado dos maiores jogadores da história do Rio Branco foi o goleiro Abrãozinho.

Participaram da votação o narrador Elísio Júnior, os comentaristas Jairo Figueira, Miguel Saif, Emerson Macaé e o repórter Carlos Mendes.

Confira todos os votos

Elísio Júnior – narrador da Banda B

Oromar, meia – Camisa 10 do Rio Branco, jogou muita bola e está em qualquer escalação do clube. Se perguntar para qualquer torcedor antigo, ele está na seleção.

Odair, meia – Ele fazia o que queria com a bola e é considerado por muitos o maior jogador da história do Rio Branco. É outro jogador que faz parte desta lista.

Alan, zagueiro – Atual técnico do Paraná. Ele sempre jogou muito bem pelo Paraná, firme na defesa e teve uma identidade muito forte. Participou daquele time que participou da Copa do Brasil de 2007, mas foi eliminado no tapetão.

Baiano, lateral-direito – Não ganhou títulos com o Rio Branco, mas a simpatia que o torcedor tem com ele é de outro mundo. Todo torcedor gosta do Rio Branco e tem até um gol histórico que ele marcou contra o Athletico.

Kulman, volante – Foi um volante que passou por Paranaguá. Não tinha classe, nem habilidade, mas se doava muito em campo. Ele conquistou a torcida nos times de 2005 e 2006 na base da vontade e não tinha bola perdida para ele.

Jairo Figueira – comentarista da rádio Litoral Sul

Claudine, atacante – Centroavante dos anos 70. Foi o grande artilheiro do clube e potencial de fazedor de gols.

Oromar, meia – Natural de Paranaguá e se destacou no Rio Branco no final dos anos 60. Depois, ele foi contratado pelo Coritiba e se destacou. Marcou o gol do Coritiba sobre a seleção da Hungria.

Mauro Babá, meia – O melhor jogador nascido em Paranaguá.

Zé Carlos, zagueiro – Fez parte daquela equipe inesquecível de 1977. É conhecido como capitão Zé Carlos.

Odair, meia – Meu pai falava que o Odair era craque de bola e jogou muito. Todos os contemporâneos dele afirmam que o Odair é o melhor jogador da história do Rio Branco.

Miguel Saif – comentarista da rádio Litoral Sul

Odair, meia – Um dos maiores jogadores que eu vi jogar. Eu tive a oportunidade de vê-lo jogar principalmente no Rio Branco.

Oromar, meia – Dispensa comentários até pela façanha do gol contra a Hungria no estádio do Coritiba.

Mandrake, atacante – Mágico do futebol, mas nunca foi um atleta.

Calé, lateral – Participou de quase todas as seleções paranaenses e convocado por sua constância.

Abrãozinho, goleiro – Tenho o testemunho de pessoas que falam das atuações deste goleiro.

Emerson Macaé – ex-zagueiro do Rio Branco e comentarista da rádio Litoral Sul

Odair, meia – Fazia a diferença no Rio Branco e era craque na concepção da palavra. Jogador que tinha diversas qualidades, visão de jogo e lançamentos fatais. Os adversários se incomodavam muito quando dava espaço para esse jogador.

Calé, lateral e zagueiro – Era marcador e encantava pela categoria e disciplina. O melhor lateral que vestiu a camisa do Rio Branco.

Tostão, meia – Craque que eu vi jogar e tive o prazer de jogar ao seu lado. Ele via o jogo e fazia a diferença.

Darci, volante – Jogador moderno, coberturas precisas. Com a bola no pé, ele fazia toda a diferença e tinha uma qualidade muito grande na saída de bola.

Mandrake, atacante – Futebol moleque. Ele tinha tudo que os grandes jogadores brasileiros tem. Infelizmente, a falta de profissionalismo fez com que ele não desse voos mais altos na carreira. Encantou do nível do Garrincha.

Carlos Mendes – repórter da rádio Litoral Sul

Abrãozinho, goleiro – O melhor goleiro sem dúvidas da história do Rio Branco.

Calé, lateral e zagueiro – Dispensa comentário. Zagueiro que se preza não ganha o Troféu Belfort Duarte e ele ganhou porque não levou amarelo enquanto jogou futebol.

Dicésar, zagueiro – Outro que dispensa comentário. Era um craque de bola.

Odair, meia – Muitos que ganham muito no futebol hoje não jogam a metade do que o Odair jogou.

Mandrake, atacante – Melhor que Pelé. O que Mandrake fazia com a bola, o Pelé não fazia. Essa é a minha opinião.