A série “Amor à vida”, que a Banda B está levando ao ar em setembro, nos convida a sentir, pensar e agir. Agir em prol de uma multidão que está perdendo o significado de viver.

Na primeira matéria vimos que o suicídio já é considerado um problema de saúde pública, com números crescentes, que superam os 10 mil casos por ano no Brasil.  A segunda reportagem produzida pelo Departamento de Jornalismo, nos responde outros questionamentos:

Quais os principais motivos que levam as pessoas a cometerem o ato extremo do suicídio? Por que os homens são os que mais tiram a própria vida, mas entre as tentativas, as mulheres são três vezes mais numerosas?

Confira na reportagem de Flávia Barros:

 

 

 

Na próxima reportagem da série “Amor à Vida”, neste Setembro Amarelo, dedica à prevenção do suicídio,  você vai saber como identificar que alguém precisa de ajuda e conhecer o trabalho do Centro de Valorização da Vida. Também vai saber como as equipes de emergência lidam com a questão no dia a dia.

Ouça a primeira reportagem da série:

 

Setembro Amarelo

Em 2018, o CVV (www.cvv.org.br), uma das entidades mobilizadoras do Setembro Amarelo no Brasil, programou diversas atividades em todas as cidades nas quais possui um de seus mais de 90 postos de atendimento.

Alguns exemplos são caminhadas, palestras, balões amarelos, pontos turísticos e edifícios públicos iluminados, distribuição de folhetos e atendimentos em locais públicos.

Carlos Correia, voluntário e porta-voz do CVV comenta que é o período mais intenso para todos os voluntários da instituição. “Nos preparamos desde o início do ano para aproveitar esse importante momento de falar sobre prevenção do suicídio e, aos poucos, quebrar alguns tabus”, comenta.

Correia comenta que os 32 suicídios que ocorrem diariamente no país, média de 1 morte a cada 45 minutos, é algo que pode ser reduzido.

“Perceber que a pressão interna está muito elevada, que o copo está para transbordar e, nesse momento ou antes disso, pedir e aceitar ajuda é muito eficiente. Conversar com alguém, seja conhecido ou desconhecido, de forma acolhedora e sem críticas já ajudaria essa pessoa a superar aquele momento.”

O voluntário do CVV complementa que muitas vezes as pessoas precisam de acompanhamento médico e/ou psicológico, mas que o serviço do CVV atua em situações de crises como complemento a esse tratamento.

Participe

Não é preciso estar ligado ao CVV ou a outra instituição para se mobilizar. Empresas podem fazer ações internas, distribuir materiais informativos disponíveis no site www.setembroamarelo.org.br e promover palestras. Órgãos públicos podem iluminar de amarelo fachadas de prédios, promover atividades, falar sobre prevenção nas unidades de saúde e escolas. E cada pessoa pode se mobilizar usando uma fita amarela ou vestindo amarelo, levantando o tema em seus grupos e buscando informações confiáveis sobre o assunto.

O movimento Setembro Amarelo, mês mundial de prevenção do suicídio, iniciado em 2015, visa sensibilizar e conscientizar a população sobre a questão. Visite www.setembroamarelo.org.br.