Logo após receber alta do hospital, a mãe Caroline Carrilho Correia, 29, que é suspeita de matar o filho de três anos, prestou depoimento à Polícia Civil na tarde desta quinta-feira (1). Demonstrando frieza, ela optou por permanecer em silêncio durante o interrogatório ocorrido na Central de Flagrantes de Curitiba. Questionada extraoficialmente pelo delegado Nasser Salmen, porém, ela admitiu o crime.

Caroline durante depoimento

“No interrogatório, ela se reservou ao direito de falar apenas em juízo, mas após o encerramento do ato formal, eu não resisti e perguntei o que levou uma mãe a fazer isso, ainda mais após tanta demonstração de carinho nas redes sociais. Ela apenas me disse que eu não entenderia, que estava desgostosa e cometeu o crime”, disse Salmen.

Com a realização do interrogatório, a Polícia Civil já encaminhou o caso para o Ministério Público do Paraná (MP-PR), que pode oferecer denúncia contra a suspeita.

Caroline estava internada até a manhã desta quinta-feira por tentar suicídio após a morte do filho. Antes do interrogatório, ela realizou exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). Já no final da tarde, ela foi levada ao Complexo Médico Penal, após um pedido da defesa, que alega insanidade mental.

Também extraoficialmente, Caroline disse que cometeu o crime com uma das mãos. “Ela teria levado a criança até lá e cometido o crime com uma das mãos. Mas durante todo o ato ela não demonstrava qualquer reação emocional, é um semblante frio. Conversando, ela disse que apenas agora está retomando a realidade”, concluiu o delegado.

O pai da criança foi ouvido extraoficialmente pela polícia após o crime, mas ainda será ouvido novamente pela Polícia Civil.

O caso

O crime aconteceu na tarde da última terça-feira (29), no limite de Curitiba com Campo Largo, na região metropolitana.

Para a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ela confessou o crime. “Na terça-feira, nós fomos chamados para uma tentativa de suicídio e encontramos a mulher já sendo atendida pelo Siate. Lá, os policiais a indagaram sobre o ocorrido e se ela estaria acompanhada, então quase que imediatamente confessou ter matado o filho. Encontramos a criança dentro de um saco na mata próxima e mantivemos a custódia até o momento”, explicou o policial rodoviário federal Maciel.