Um casal de Joinville (SC) que arrecadou mais de R$ 3 milhões para tratar a doença do filho em 2017 foi preso nesta quarta-feira (22). Renato e Aline Openkoski estavam foragidos. Eles foram condenados em 2022 por estelionato e apropriação de bens.

A Polícia Civil de Santa Catarina cumpriu os mandados de prisão do casal nesta quarta-feira (22). Renato e Aline foram condenados a penas que, somadas, chegam a 70 anos de prisão em regime fechado.

renato-e-aline-ame
Foto: Reprodução

Os dois eram responsáveis pela campanha denominada “AME Jonatas”. Ação foi lançada em 2017 para ajudar o filho do casal. Jonatas tinha a doença degenerativa AME (Atrofia Muscular Espinhal). A criança morreu em 2022.

O caso começou a ser investigado após denúncias sobre a mudança no padrão de vida dos pais, inclusive com postagens de uma viagem à ilha de Fernando de Noronha, no Réveillon de 2017, o que despertou atenção do MPSC (Ministério Público de Santa Catarina).

Eles fugiram de Balneário Camboriú (SC), cidade onde residiam. “Após exaustivo trabalho de inteligência, investigação e campanas, eles foram localizados em Morro do Meio, em Joinville”, disse a polícia, em nota. Ambos foram encaminhados ao sistema prisional catarinense.

O advogado Emanuel Stopassola, que defende o casal, declarou à reportagem que “serão defendidos o devido processo legal, o contraditório, a ampla defesa e todos os meios de prova e recursos inerentes”.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Pais são presos em SC por se apropriarem de R$ 3 milhões arrecadados para tratar doença do filho

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.