Onze pessoas foram presas em uma operação do 17º Batalhão de Polícia Militar com a 3ª Delegacia Regional de Campo Largo, na manhã desta terça-feira (22), suspeitas de praticarem crimes de homicídio e tráfico de drogas. As investigações entraram no ápice depois da morte de um casal, em dezembro, na Rua Iraque, no bairro Francisco Gorski. O grupo agia na disputa por pontos de drogas de maneira fria e planejada.

O delegado de Campo Largo, Reinaldo Zequinão, disse à Banda B, após o cumprimento dos mandados que o grupo está sendo investigado em outros crimes. “Pelas informações que conseguimos checar, a ordem para matar o casal partiu de um preso e foi coordenado pelo grupo aqui fora. São onze presos, três já estavam e oito presos hoje. Todos tem alguma forma de envolvimento nesse crime. O envolvimento da quadrilha em outros crimes também estão sendo investigados. As mulheres são as principais articuladoras do crime”, detalhou.

Uma das mulheres tinha vínculo direto com o preso e era responsável por passar informações online sobre crimes. Um celular com um dos presos era crucial para a troca de notícias entre eles. Para o delegado-chefe da Divisão Metropolitana da Polícia Civil, Fabio Amaro, o monitoramento da polícia foi importante para a prisão dos suspeitos. “Um dos presos que estava encarcerado com um telefone celular de maneira estratégica ordenou aos seus comparsas que realizassem o homicídio desse casal, que é usuário de entorpecentes. Um trabalho de monitoramento levou a prisão todas essas pessoas na data de hoje”, completou Amaro.

Ao todo foram empregados na operação 25 policiais civis da Divisão Metropolitana, 12 policiais militares do 17º Batalhão e 7 guardas municipais de Campo Largo. Foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão e oito mandados de prisão – Brendon Pantaleão Da Silva, Elisangela Aparecida Chagas, Hellen Tathiani Dancini, Hiago Borges de Carvalho, Hilda Sebastiana Vieira, Lucimara Aparecida Veríssimo, Vagner Ribeiro Chagas e Valdeci Aparecido Mariano.

Investigações

As investigações iniciaram com apoio do Ministério Público após um crime gravíssimo, quando um casal foi morto com vários tiros dentro de uma residência, no final da tarde de domingo dia 23 de dezembro, na Rua Iraque no bairro Francisco Gorski.

Na época por volta das 18h policiais militares da 3ª Cia foram acionados, deslocando uma equipe da área central para atendimento da ocorrência. Segundo informações de vizinhos, durante a tarde foram ouvidos vários disparos de arma de fogo dentro da residência. Os policiais adentraram a casa e depararam-se com dois corpos na sala, uma mulher de aproximadamente 25 anos e um homem identificado como sendo André Junior de Matos, 26 anos. No local compareceram o Instituto de Criminalística e equipe de investigação da 3ªDPR-Campo Largo. Segundo informações da Polícia Militar, ambos foram mortos com vários disparos de pistola calibre .40.

Investigações realizadas no último mês revelaram que quatro (04) criminosos tiveram participação direta do duplo homicídio, os quais deslocaram até a residência das vítimas por ordem de um quinto criminoso de dentro da cadeia. Sendo identificados eles: Vagner Ribeiro Chagas, Brendon Pantaleão Da Silva, Aleksandro Lourenço, autor dos disparos de arma de fogo nas vítimas, Lucimara Aparecida Veríssimo, e seu marido Cezar Aparecido Mariano, o qual está preso na 3ª. Delegacia Regional de Polícia de Campo Largo por tráfico de drogas desde 14 de agosto de 2018.

No planejamento do crime foram distribuídas as tarefas entre os envolvidos cada um com uma função determinada durante a ação: olheiros, motorista e executores. No crime foram usadas duas armas de fogo, pistolas calibre .40, de uso restrito das forças de segurança. Logo após o crime todos os participantes voltaram as suas casas como se nada tivesse acontecido, demonstrando dessa forma a frieza no cometimento do crime de assassinato dos dois jovens.

Quadrilha

As provas apontam que os autores fazem parte de um grupo maior que atuava no tráfico de drogas na região da cidade de Campo Largo, e que a motivação do homicídio seria uma briga pelo tráfico.

 

As diligências contaram ainda com apoio coordenado da Divisão de Polícia Metropolitana, Delegacias de São José dos Pinhais, Araucária, Colombo, Pinhais, Rio Branco do Sul, Piraquara e Fazenda Rio Grande, Guarda Municipal de Campo Largo e da Companhia de Operações com cães do BOPE.

 

 

Casal foi morto dentro de casa. Foto: Foto: Jornal da Cidade/Colaboração