Por Denise Mello e Antonio Nascimento

protestoVitor sonhava ser jogador de futebol – Foto: Arquivo pessoal

A mãe do adolescente de 16 anos que foi apreendido na tarde de sexta-feira (24) suspeito de matar Vitor Gabriel dos Santos Pereira, de 14 anos, no ponto de ônibus, procurou a Banda B para pedir perdão à mãe do garoto morto e dizer que jamais imaginou que o filho dela poderia cometer um crime como esse. Vitor foi morto no ponto de ônibus, no dia 4 de junho, quando seguia para a escola de futebol, no jardim Osasco, em Colombo, região metropolitana de Curitiba. Ele foi baleado e teve o tênis e o celular roubados.

“Eu peço perdão á mãe desse menino. Jamais imaginei que meu filho pudesse matar alguém. Como ele chegou a esse ponto? Onde foi que eu errei? Teve uma infância boa, estudava, nunca foi violento. Não posso acreditar que meu filho fez isso. Só imploro o perdão dessa mãe. Perdi um filho de 22 anos há pouco tempo e sei a dor que ela está sentindo”, disse a mulher. Ela contou que o filho de 22 anos era casado, tinha uma filha e foi morto na garagem de casa por dois homens que entraram atirando. Ela diz que ele não tinha passagem pela polícia.

A mulher afirmou ainda que não conseguiu falar com o filho de 16 anos. “Devo ir hoje até a delegacia. Quero ouvir o que ele tem pra me dizer. O que sei é que na delegacia ele disse que fez isso porque o menino que estava com ele dizia que ele não era homem, que não tinha coragem pra matar. Devia ter bebido e na hora falou que acabou fazendo isso e que se arrepende, mas agora é tarde”, falou a mãe.

A mãe do suspeito falou ainda que se ele matou mesmo, tem que pagar. “Se ele fez isso mesmo tem que pagar pelo erro. Não quero um filho bandido. A lei tem que ser cumprida”, encerrou chorando.

O crime

O adolescente de 16 anos foi apreendido na tarde de sexta-feira (24) no bairro Vila Nova, em Colombo, suspeito de matar Vitor Gabriel dos Santos Pereira, de 14 anos, no Jardim Osasco. A arma utilizada para cometer o crime, um revólver de calibre 38, foi encontrada no dia do fato em um terreno baldio próximo ao local onde ocorreram os disparos.

O crime ocorreu por volta das 5h30 da manhã do dia 4 de junho. A vítima estava indo para uma escola de futebol em Quatro Barras e, antes de chegar no ponto de ônibus, parou no local onde aconteceram os fatos, com o intuito de convidar um colega para que fosse com ele. Vitor sonhava ser um jogador de futebol

O irmão do colega da vítima, um soldado do exército de 19 anos, foi testemunha do crime. Ele e o suspeito tinham acabado de chegar de uma festa e estavam em frente de casa quando o adolescente de 16 anos efetuou os disparos contra a cabeça do menino, que morreu no local.

De acordo com o delegado-titular da unidade, Erineu Sebastião Portes, a equipe ainda investiga a real motivação do crime. “Estamos tratando como um crime de latrocínio, roubo seguido de morte, pois verificamos que alguns pertences da vítima foram levados”, ressalta o delegado.

O adolescente está apreendido na unidade, onde aguarda por medidas cabíveis à disposição da Vara da Criança e do Adolescente. A Polícia ainda segue com as investigações, com o intuito de apurar o envolvimento de outras pessoas no crime.