Um casal foi morto dentro de uma casa na região do Jardim Aquários, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, no fim da madrugada desta sexta-feira (14). Marcela Baldo, 19 anos, e um rapaz conhecido como ‘Negralha’ foram encontrados mortos na casa do primo de Marcela. Ambos eram usuários de drogas e o rapaz usava tornozeleira eletrônica.

PM isolou local do crime. Foto: Banda B

 

O crime aconteceu na rua Antônio Peres Leal com Alfredo Edson Todareli. O primo de Marcela, Gabriel Baldo, contou que ela estava morta na sala e ele no quarto. “Eu saí para comprar uma caixinha de cerveja e um vinho, depois de uma hora mais ou menos eu encontrei ela morta aqui no sofá, depois vi o cara morto no quarto. A princípio achei que era só ela, mas foram os dois. Do jeito que eu entrei, eu saí pra pedir ajuda e não entrei mais”, contou à Banda B.

 

Casal foi morto dentro da casa do primo da garota. Foto: Banda B

 

Para o primo, os criminosos entraram na casa à procura do jovem que estava com Marcela. “Eu conheci esse cara hoje, nunca tinha visto na vida, não sei se ele estava de treta, se ela, não sei o que possa ter acontecido. Eles estavam se pegando ali na sala, eu resolvi sair com a minha mulher pra comprar uma cerveja ali embaixo. Quando volto, vejo isso. Sempre morei aqui, nunca aconteceu nada. Acho que queriam ele, só pode”, completou.

‘Vida torta’

A família conformou que Marcela era viciada em cocaína já há muito tempo. “Ela era vida torta, fazia tudo por um pó”, disse Gabriel. A tia de Marcela, mãe de Gabriel, foi até a casa dela após descobrir sobre o crime. Segundo familiares, ela passou a noite na casa de outra filha, cuidando do neto.

 

Atiradores não foram vistos. Foto: Banda B

 

A Polícia Militar (PM) foi acionada para isolar o local e a Civil iniciou as investigações no local. O rapaz morto, conhecido como Negralha, já tem diversas passagens pela polícia, usava tornozeleira eletrônica, tinha recém deixado a prisão. Ele é acusado de traficar drogas na região junto com o irmão.

Os corpos foram recolhidos ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba. A Delegacia de Polícia do município investiga o crime.