Placas e lápides apreendidas com suspeito estão na Central de Flagrante, no Centro de Curitiba. Foto: FB/Banda B

 

Uma cena de perseguição nada comum para um cemitério de Curitiba. Em busca de cobre e materiais para vender, Eduardo Luiz Fagundes, 33 anos, foi flagrado pela Guarda Municipal (GM), na manhã deste sábado (23), no Cemitério Municipal, no bairro São Francisco. Ligeiro, o suspeito de furto deu trabalho para os guardas municipais. Depois de muitos esconderijos entre os túmulos, Fagundes foi detido e levado para a Central de Flagrantes, no Centro.

Com os arames de proteção que ficam nos muros do cemitério já frouxos, Fagundes não viu dificuldade para escalar um muro de quase 2,5 metros de altura. Para a Banda B, o guarda municipal Ulisses notou uma movimentação estranha nos corredores do cemitério e – sem medo de assombração – passou a monitorar os túmulos. Em minutos, notou que havia um homem, já com diversas placas e lápides furtadas nas mãos.

“Deu muito trabalho, o cara é ligeiro. O cemitério é um labirinto e ele se escondia em cada fresta. Uma hora ele se enfiou no meio da roseira, em um mato, e eu quase que não acho ele. Mas, peguei e trouxe aqui”, descreveu.

Para Ulisses, os suspeitos que furtam cemitérios tem objetivo de trocar as peças por drogas. “São usuários que querem dinheiro rápido e o bronze é vendido rápido. Tem nomes escritos nessas placas, tem que identificar esses receptadores. São peças pesadas, umas chegam a ter 10 quilos”, finalizou.