O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, confirmou nesta sexta-feira (27) 125 casos de coronavírus no Paraná. São 19 casos a mais do que no último boletim, que apresentava 106 casos confirmados do vírus no estado. Já foram descartados 2004 casos e ainda estão em investigação 1078 pacientes.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. Foto: Geraldo Bubniak/AEN

O secretário também confirmou duas mortes por coronavírus em Maringá, no interior do estado. Os exames foram realizados pelo Laboratório Central do Estado (Lacen/PR) nesta tarde.

As mortes referem-se a um homem de 84 anos que apresentou os primeiros sintomas no dia 15 de março e foi internado em um hospital da rede privada de Maringá. A filha dele havia viajado para a Espanha e retornou ao Brasil já doente, sendo confirmada para coronavírus no dia 18 com quadro clínico leve e em isolamento domiciliar até o momento. Devido ao contato com este caso confirmado, o paciente passou a ser considerado como caso suspeito e morreu nesta quinta-feira (26).

Já o segundo, é uma mulher, 54 anos que viajou para João Pessoa na Paraíba, passou por São Paulo e retornou ao Estado no dia 11 de março. Iniciou os sintomas no dia 14 e internou em rede particular de Sarandi no dia 20. A paciente morreu nesta quarta-feira (25). Ambos possuíam comorbidades.

Novos casos

O novo boletim aponta 19 novos casos confirmados, incluindo as duas mortes. As novas confirmações são em Cascavel (3), Cianorte (1), Guarapuava (1), Curitiba (5), Maringá (4), Iretama (1), Campo Mourão (1), Umuarama (1), Guaíra (1) e União da Vitória (1). Os pacientes têm idades entre 22 e 84 anos. Nove pacientes estão em isolamento hospitalar, seis em Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

Ao todo o Paraná tem agora 125 casos confirmados – quatro não residem no Estado -, 2.004 descartados e 1.078 em investigação.

Nova metodologia

O Paraná adotou nesta sexta-feira um sistema ligado ao Laboratório Central do Estado (Lacen/PR) para contabilidade de dados de todas as notificações que foram recolhidas amostras a fim de precisar os números o mais próximo possível da realidade de suspeitos no Estado.