A Secretaria Municipal de Saúde de Araucária (SMSA) tem um alerta muito importante para a comunidade: quem esteve na UPA no dia 16 de novembro ou no Hospital Municipal de Araucária (HMA) na manhã do dia 18 de novembro deve dirigir-se, o quanto antes, à Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima para orientações sobre sua saúde; independente se foi a esses locais para atendimento, acompanhar alguém ou se só circulou durante um desses períodos.

Foto: Carlos Poly

A orientação vale para pessoas de todas as idades e até mesmo para quem mora em outro município e esteve na UPA e HMA. A medida faz parte do protocolo da Saúde e visa revisar a carteira de vacinação dessas pessoas que podem ter tido contato com uma pessoa suspeita de estar com sarampo e que esteve nessas unidades e períodos descritos. Esta situação é mais um alerta para mostrar que pessoas que não estão em dia com a vacina precisam se proteger.

Quando ocorre um caso suspeito de sarampo, o protocolo das equipes de Saúde é mapear locais onde a pessoa esteve e encontrar outras pessoas que tiveram contato com ela. Quem não tem registrado as doses corretas conforme a idade é encaminhado para vacinação. O acompanhamento dos casos suspeitos, a vacinação rotineira e a intensificação realizada nas UBS (quando necessária), contribuem para o controle do sarampo.

Contagiosa

O Sarampo é uma doença altamente contagiosa. Entre os sintomas estão muitos sinais comuns a outras doenças: febre, manchas avermelhadas (exantema), tosse e conjuntivite. É preciso procurar as unidades de saúde caso perceba esses sinais.

Os casos de sarampo vêm mobilizando as equipes de Saúde de todo o país para intensificar a vacinação de quem não está em dia. A vacina é o único meio eficaz de proteger contra o sarampo, doença que é transmitida pelo ar (respiração, tosse, fala, espirro) e que pode ser contraída em qualquer idade (se a pessoa não está protegida pela vacina). Para a vacinação é importante não esquecer de levar à UBS a carteira de vacinação e um documento de identificação com foto.

Profissionais de saúde, independente se trabalham em estabelecimentos públicos ou privados, precisam ter duas doses da vacina contra o sarampo.