Redação com Estadão

Votações acontecem na Câmara esta semana – Foto: EBC

Em reunião marcada para esta segunda-feira (24), o presidente Michel Temer vai pedir “empenho máximo” dos ministros no esforço para a aprovação das reformas trabalhista e previdenciária. O objetivo é que as bancadas na Câmara sejam convencidas a aprovar os textos sem novas concessões.

Temer afirmou, em encontro com ministros e líderes da base aliada realizado na noite deste domingo (23), no Palácio do Jaburu, que os textos das reformas foram construídos em diálogo com os partidos governistas. Por causa disso, segundo o presidente, “todos são responsáveis” pelas propostas.

Na reunião desta segunda-feira, Temer vai dizer que é preciso resistir às pressões das categorias mais mobilizadas, que pretendem manter privilégios na Previdência. O objetivo do governo é manter inalterado o relatório apresentado pelo deputado Arthur Maia (PPS-BA) na comissão especial que discute o tema.

O texto da reforma da Previdência será apreciado pela comissão a partir do dia 2 de maio. Já a reforma trabalhista será votada pela comissão na terça-feira (25).

A reunião deste domingo durou três horas e contou com a presença do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), e dos ministros Antonio Imbassahy (Governo), Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência) e Henrique Meirelles (Fazenda) O líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e o líder da maioria, Lelo Coimbra (PMDB-ES), também comparecem.

Meirelles afirmou que a aprovação da reforma da Previdência será um “divisor de águas” no processo de recuperação da economia brasileira e que há uma “grande expectativa” no exterior sobre o tema. Ele fez uma apresentação sobre a reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI), realizada em Washington na semana passada, e destacou que a economia brasileira já dá sinais positivos. Segundo o ministro, as reformas vão consolidar os avanços dos últimos meses.

A reforma trabalhista deve ser votada na terça-feira (25) na comissão especial sobre o tema e ir para o plenário no dia seguinte.