Um pouco antes de oficializar a saída do PT, Roberto Requião foi sondado para assumir um cargo no Conselho da Eletrobras. O ex-governador não deu prosseguimento à conversa e no período da janela partidária, pediu desfiliação do Partido dos Trabalhadores.

roberto-requião
Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Conta uma boa fonte do Blog Politicamente, que o emissário foi o advogado Manoel Caetano, que é muito próximo do presidente Lula. Ele pertencia a banca de advogados que defendeu o presidente no auge da operação Lava Jato. Durante o tempo em que Lula esteve preso na sede da Polícia Federal do Paraná, Manoel Caetano visitava o petista com frequência para atualizar a tramitação dos processos, mas também para falar sobre política.

Não foi a primeira recusa de Requião. No inicio do governo Lula, em 2023, o ex-governador recusou um cargo no Conselho de Administração da Itaipu Binacional. Na época, o agora ex-petista disse que se sentiu desrespeitado e chegou a falar em “boquinha de luxo”.

Mais que um cargo, Requião queria ter vez e voz no terceiro mandato de Lula para discutir os rumos do país — principalmente na área econômica.

Para ler a matéria completa no Blog Politicamente, parceiro da Banda B, clique aqui.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Requião foi sondado para assumir cargo na Eletrobras antes de deixar o PT

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.