O advogado Claudio Dalledone Junior convocou uma coletiva de imprensa, na tarde desta sexta-feira (05), para falar sobre a sua condenação no processo que investiga desvios de indenizações de pescadores em Paranaguá, no Litoral do Paraná. Ele disse que é inocente, que a sentença é “absurda sob qualquer ponto de vista” e que irá recorrer da decisão.

WhatsApp Image 2024-07-05 at 16.06.10
Foto: Cristiano Vaz/Banda B

A sentença por corrupção passiva e lavagem de dinheiro foi proferida pelo juiz Leonardo Marcelo Mounic Lago, da 1ª Vara Criminal da cidade litorânea, e envolve outras treze pessoas. A condenação determina que o advogado cumpra 11 anos, um mês e 22 dias de reclusão em regime inicialmente fechado e pague multa. No entanto, Dalledone poderá recorrer em liberdade e tem o prazo de cinco dias para dar início ao uso de tornozeleira eletrônica.

“Absurda essa sentença condenatória em meu desfavor que ainda me obriga a colocar uma tornozeleira. Vou entrar com uma ordem de habeas corpus possivelmente… Ou não, também não tenho receio de enfrentar aquilo que a Justiça determinar, mas sou inocente. Não sou ladrão, nunca peguei dinheiro de ninguém, não preciso pegar dinheiro de pescador. Sem pé, nem cabeça essa sentença e que vai ter seus efeitos reconsiderados pelas instâncias superiores”, defendeu Dalledone.

Investigações

Segundo as investigações, o juiz aposentado Hélio Tsutomu Arabori, o cartorário Ciro Antônio Taques, o servidor público Arival Tramontin Ferreira Júnior e o advogado Marcos Gustavo Anderson eram os mentores da quadrilha acusada de se apropriar de indenizações pagas pela Petrobras a pescadores após dois desastres ambientais na cidade entre 2001 e 2004. Dalledone Junior representava o grupo e, segundo, o Ministério Público do Paraná tinha conhecimento dos esquemas milionários de corrupção, por isso foi incluído no processo.

WhatsApp Image 2024-07-05 at 16.06.09
Foto: Cristiano Vaz/Banda B

Conforme a denúncia do Ministério Público, o esquema funcionava da seguinte forma: o juiz Arabori liberava os alvarás das indenizações devidas aos pescadores mediante a cobrança de uma porcentagem para ele e os demais membros da quadrilha. Ele também exigia parte dos honorários da advogada Cristiane Uliana, que representava as vítimas. Alguns trabalhadores lesados nunca viram o dinheiro.

“Estou sendo criminalizado por ter exercido a minha função de advogado. Essa pessoa que pegou dinheiro de pescadores se chama Cristiane Uliana e isto está no meu depoimento. Ela me procurou enquanto suspeita para ter auxílio advocatício e eu funcionei para ela como advogado e ganhei honorários por isso. Não tenho receio de enfrentar essa acusação dessa ladra imoral. Não há nenhuma prova além da mentirosa versão dela”, afirmou Dalledone.

O advogado disse também que acredita que o caso trata-se de uma revanche organizada por desafetos seus e que a Justiça “engoliu” a versão deles.

O espaço na reportagem está aberto para os demais citados.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

“Não sou ladrão, nunca peguei dinheiro de ninguém”, diz Dalledone sobre condenação de 11 anos e uso de tornozeleira

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.