Redação com assessoria

Problemas odontológicos como o bruxismo são cada vez mais frequentes. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 30% da população possui esse tipo de disfunção e no Brasil, a estimativa é de que ela atinja 30 milhões de pessoas. O que muitos não sabem é que o ranger dos dentes está associado ao estresse. Esse foi o caso de Vania da Silva, que demorou um ano até descobrir que a dor que sentia era causada pelo bruxismo resultado da preocupação excessiva do dia a dia. “Sou muito ansiosa e percebi que eu apertava a mordida o tempo todo, principalmente durante o trabalho. Isso desencadeou dores muito fortes, tanto no rosto quanto dores de cabeça, pescoço e ombro. Fui a vários médicos até descobrir que era bruxismo e a causa era o estresse”, conta a microempresária.

O estresse atinge 70% da população brasileira, segundo estudos da OMS. Apesar da alta incidência, os sintomas não costumam ser facilmente percebidos. Segundo a psicóloga Gladir Sanchotene, o uso excessivo de tecnologia e os altos índices de desemprego ocasionados pela crise econômica são alguns dos fatores responsáveis pelo crescimento do nível de estresse. “Essa necessidade de adaptação às exigências do mundo moderno e às mudanças traz uma sobrecarga tanto no ponto de vista emocional quanto físico. É preciso ficar alerta, pois a tensão do dia a dia pode ser um agravante para diversas doenças, entre elas as relacionadas à saúde bucal”, ressalta.

De acordo com a dentista e professora da Faculdade ILAPEO, referência em ensino e pesquisa na área de saúde, Isabela Shimizu, o estresse reflete na tensão da musculatura, causando problemas odontológicos. “No caso do bruxismo ou apertamento, a pessoa tensiona demais os músculos da mastigação. Esses músculos tensionados vão ter uma força muito grande principalmente quando a pessoa está inconsciente. Considerando que durante a mastigação temos uma força de até 89 quilogramas, quando estamos inconscientes essa força pode aumentar em duas vezes”, explica.

Entre os sintomas do bruxismo estão o cansaço no rosto, na mastigação, além de dores de cabeça. “Esse cansaço e as dores se devem à rigidez dos músculos. Um dano muito comum também é a disfunção temporomandibular. Nesse caso há uma sobrecarga na articulação, causada pela tensão, que diminui a produção de fluido que lubrifica a região”, afirma a também professora da Faculdade ILAPEO e especialista em ortodontia, Ricarda da Silva.

Tratamento

O tratamento para pacientes com a disfunção pode ser feita com o uso de placas ou com a toxina botulínica (botox), como foi o caso de Vania. “Os resultados já vieram uma semana após a aplicação. Além disso, comecei a praticar exercícios físicos e iôga, o que ajudou muito”, finaliza.

Estresse: o inimigo silencioso

As causas e os efeitos do estresse serão discutidos em uma palestra gratuita neste sábado (30), em Curitiba. Aberto ao público e com entrada gratuita, o evento será ministrado pela psicóloga e consultora da Faculdade ILAPEO, Gladir Sanchotene, com o intuito de esclarecer como as causas do estresse podem ser identificadas e tratadas, evitando que o problema desencadeie doenças ou problemas físicos e emocionais. O encontro faz parte do Projeto de Extensão em Saúde Integrada promovido pela instituição que visa orientar a população sobre cuidados com a saúde. O encontro acontece a partir das 10 horas, e a Faculdade ILAPEO, fica na rua Jacarezinho, 656, nas Mercês.