Leonardo Oliveira, presidente do Paraná, comandou toda a negociação com os investidores estrangeiros. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

O Paraná Clube viveu um capítulo importante na sua história nesta terça-feira (18). A reunião extraordinária do Conselho Deliberativo definiu a terceirização do departamento de futebol do Tricolor para as próximas três temporadas. A Total Sports (TSI), empresa britânica, vai gerir o time paranista em conjunto com a diretoria do Tricolor a partir da temporada de 2020 até o ano de 2022. Ao todo, 85 conselheiros votaram a favor, nove contra e houve seis abstenções.

A reunião durou quase quatro horas. No primeiro momento, a apresentação do projeto foi de Felipe Ximenes, ex-diretor do Coritiba, que é o representante da TSI e vai ser o CEO do departamento de futebol do Paraná Clube a partir de agora e deve trabalhar em conjunto com Alex Brasil. O presidente Leonardo Oliveira também discursou e enalteceu a importância da parceria para o Tricolor.

Foram, então, abertas as perguntas para os conselheiros. Foi o momento mais demorado da reunião. Felipe Ximenes acabou deixando a Sede da Kennedy antes da votação dos conselheiros para que o presidente Leonardo Oliveira ficasse mais a vontade para responder os questionamentos dos presentes.

A proposta

A proposta apresentada foi, além do investimento nas categorias de base e uma possível reforma na Vila Olímpica do Boqueirão, um aporte financeiro para o futebol profissional de 600 mil euros em 2020. No dois anos seguintes, o valor aumentaria. Assim, o Paraná Clube teria 1,2 milhão de euros em 2021 e 2,4 milhões de euros em 2022. Esse valor, segundo informações repassadas na reunião, entrará na totalidade no clube e não terá o desconto de 20% que seria destinado ao Ato Trabalhista.

Além desse aporte, o Paraná Clube seguirá contando com as verbas de televisão, de bilheterias, de sócios e de possíveis patrocinadores. A contrapartida para os investidores será o percentual na venda de jogadores em negociações futuras.

Além desse aporte financeiro, a TSI vai repassar 500 mil euros para o pagamento dos salários atrasados de 2019, ou seja, R$ 2,3 milhões, conforme solicitou a Justiça do Trabalho quando abriu concorrência para o arrendamento do departamento de futebol em dezembro do ano passado. Esse valor, no entanto, terá que ser devolvido pelo Paraná em 24 meses.