Eduardo Barros. (Geraldo Bubniak/AGB)

O técnico Eduardo Barros destacou que a vitória do Athletico contra o Coritiba era “imprescindível” pelo momento ruim que o Athletico vinha vivendo. Com o resultado positivo no clássico, o Rubro-Negro encerrou uma sequência de sete jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro e saiu da zona de rebaixamento.

“Era um jogo que teria um caráter emocional muito grande, como todos puderam observar. Um empate não nos favorecia, uma derrota menos ainda. Uma vitória teria uma possibilidade real de terminar a rodada fora da zona de rebaixamento. Hoje a vitória seria imprescindível e, felizmente, deu tudo certo”, declarou o treinador.

Para Barros, a vitória no Athletiba também dá confiança para a partida da Libertadores. O Furacão joga na terça-feira (15), às 19h15, contra o Jorge Wilstermann, em Cochabamba. “Nós vamos para a Bolívia carregados de confiança. O grupo que temos é esse e tem totais condições de estar melhor colocado na tabela. Uma vitória como essa nos dá confiança para o próximo jogo e para a competição que vamos retomar”, comemorou.

Com pouco tempo de preparação, o comandante rubro-negro ressaltou que vai colocar em campo na Bolívia quem estiver melhor fisicamente. “Todos puderam observar que o jogo de hoje foi extenuante e o mais difícil da sequência que tivemos. Primeiro exercício que temos que fazer na comissão técnica, junto com os jogadores, é ver quem tem condições de começar a partida contra o Jorge. O tempo para treinar será mínimo e vamos levar a campo quem tem condição. Não tivemos a melhor atuação técnica, porém, o espírito que queremos ver com a camisa do Athletico esteve muito presente. É com esse espírito que vamos para a Bolívia”, disse.

Ataque sem centroavante de ofício

Uma possibilidade é a manutenção da equipe sem um centroavante de ofício. No clássico, Fabinho jogou mais centralizado e foi o autor do gol da vitória. “Nós estamos procurando alternativas para aumentar o poderio ofensivo da equipe. Nas últimas oportunidades, nós tivemos uma boa quantidade de finalizações e de chances criadas, mas não haviam sido convertidas em gol. Em um contexto com pouco tempo para treinar, nós fizemos um teste positivo e o gol acaba saindo em virtude dessa mudança e da eficiência do Fabinho”, avaliou Barros.