Bruno Batata está na história do Operário pelo gol do título da Série C. (José Tramontin/Operário)

O atacante Bruno Batata encerrou a passagem pelo Operário no último dia 30 de abril, quando o contrato se encerrou e não foi renovado. Em entrevista à Banda B, o jogador lamentou ter ficado sem clube durante a pandemia, mas segue com a esperança que o futebol retorne em breve.

“Um momento difícil. O meu contrato acabou no dia 30 de abril do Operário, infelizmente, bem no meio da pandemia. O mercado está paralisado, os clubes estão sem perspectiva de volta e atingiu todo o mercado do futebol. Não nos resta outra coisa a ter esperança que esse vírus vai passar e a gente vai voltar a trabalhar”, disse o atacante.

A passagem de Bruno Batata pelo Fantasma foi histórica. Ele marcou o gol do título na final da Série C do Campeonato Brasileiro de 2018. “Foi algo especial. Um clube tradicional do estado, o segundo clube mais antigo do Paraná e recheado de histórias fantásticas. Joguei por vários clubes do estado e ter passado pelo Operário foi um momento especial. Ter participado efetivamente neste crescimento do clube ano após ano com direito ao título da Série C. Ter tido a oportunidade de marcar o gol do título deixou marcado na história do clube e também da minha carreira. Vou levar o Operário para o resto da minha vida”, comentou.

Futebol após a pandemia

Em relação à pandemia do novo coronavírus, o atacante não acredita que apenas as duas primeiras divisões do Campeonato Brasileiro vão retornar nos próximos meses. “A minha expectativa e da grande maioria é que o futebol retorne na totalidade. Não acredito que retorne apenas as Série A e B e não faz sentido. Seria muito trágico para os clubes, impactaria de uma maneira muito grande, talvez irreversível, se o futebol não voltasse neste ano. Estamos na expectativa que o futebol volte e que a gente volte a trabalhar, fazer aquilo que ama. Não acredito que teremos torcida nos estádios neste ano, mas só o fato do futebol voltar já é uma grande alegria para todos nós”, comentou.

Bruno Batata ainda destacou que os clubes vão ter uma nova realidade e não vão pagar salários astronômicos para os principais jogadores. “Mesmo os clubes que ano após vêm melhorando a sua gestão e aumenta a parte financeira vão ter que dar um passo para trás. É uma oportunidade das equipes pararem com esses salários, uma desigualdade muito grande. Acredito que todo mundo vai ter que se readequar nessa nova realidade. A minha esperança é que os clubes possam dar um passo para trás e os jogadores tenham consciência que não vai dar para ganhar tanto dinheiro”, disse.