Athos Schwantes. (Reprodução/Instagram)

Os Jogos Pan-Americanos de 2019 vão ficar marcados para sempre na memória do esgrimista Athos Schwantes. Ele ainda nem competiu nas provas de esgrima, mas desembarcou em Lima, no Peru, para uma experiência nova de ser treinador da pentatleta Isabela Abreu. A parceria já rendeu frutos para o Brasil e a curitibana conquistou a medalha de bronze na prova do revezamento misto do pentatlo moderno.

“Os Jogos sempre são um evento importante e aguardado pela esgrima brasileira. A minha expectativa estava bem alta para se classificar, desde um ano atrás, e esse ano teve um aspecto ainda mais especial pelo fato de trabalhar com a pentatleta Isabela Abreu. É um momento novo em relação ao Pan, porque sempre que vim era só como atleta e agora vim pouco antes [como técnico]”, comentou Schwantes, em conversa com a Banda B.

Em sua primeira experiência como técnico no Pan, o esgrimista viveu diversas emoções. Isabela Abreu quase conquistou a vaga para os Jogos Olímpicos na prova individual, mas deixou a frustração para trás e subiu ao pódio no revezamento misto. “O mais importante de tudo foi conseguir digerir as sensações ruins devido a não classificação para os Jogos Olímpicos. A Isa ficou entre as duas melhores sul-americanas, mas a [atleta] que ficou na frente dela era brasileira e não pode duas atletas do mesmo país. Eu achei muito importante a Isa ter virado a página, ido lá e batalhado que nem uma guerreira para conquistar o bronze. É uma conquista da Isa que a gente tem que comemorar”, disse.

Athos Schwantes foi técnico de esgrima da pentatleta Isabela Abreu (à dir.), medalhista de bronze do Pan. (Reprodução/Facebook)

Para desembarcar antes em Lima, Schwantes viveu uma maratona pelo mundo. Ele estava em Budapeste, na Hungria, na disputa do Mundial, voltou rapidamente para Curitiba e embarcou horas depois para o Peru. “Eu conversei com o pessoal das Confederações de Pentatlo Moderno e Esgrima e com o próprio Comitê Olímpico do Brasil que a própria Isabela queria que estivesse junto com ela. Para que isso fosse possível bastava antecipar minha ida para o Pan. Em vez de ir no dia 29, eu iria antes. Todo mundo aceitou e ninguém viu problema”, agradeceu.

A participação como técnico já acabou, mas o curitibano segue em Lima para disputar as provas de esgrima, que acontecem a partir da próxima segunda-feira (05). “Eu estou super focado. A equipe brasileira de espada masculina é composta de três atletas, sendo que dois são da Academia Mestre Kato: Alexandre Camargo e eu. O técnico será o Mestre Kato, o que é um alegria enorme para todos nós. Curitiba vai estar em peso na espada masculina, e espero que a gente consiga aplicar o que faz nos treinos. Fico feliz em estar em duas frente nos Jogos Pan-Americanos e agora vamos ter boas perspectivas e uma chance especial para contribuir para o quadro de medalhas de duas formas diferentes”, comentou.