Reprodução

Desde que se tornou figura pública, ao protagonizar uma triste cena de discriminação na instituição em que cursava turismo, a Uniban de São Bernardo do Campo (SP), Geisy Arruda, 20, não para. Lançou uma coleção de vestidos cor-de-rosa – inspirados naquele que vestia na fatídica noite em que se tornou famosa – e agora prepara uma de cosméticos. Além de negociar com uma empresa, cujo nome prefere não revelar, uma boneca própria. “Não quero dar o nome da companhia porque pode aparecer uma mais bacana, né?”, explica-se. Também se explica sobre os boatos que gerou ao ser flagrada dançando com o ex-ator pornô Alexandre Frota, num evento neste fim de semana. “Ele é só amigo. Nem faz meu tipo. Prefiro homem menos bombado”, diz. “Isso já deu até problema com o meu namorado (o mineiro Diego Silva, 23, que Geisy conheceu num programa de namoro na TV).” Confira, abaixo, um bate-papo com Geisy Arruda.

Você já foi cotada para participar da terceira edição do reality show A Fazenda, que deve ir ao ar em setembro, pela Record. Você aceitaria?
A Fazenda, para mim, é uma coisa complicada, por causa da superexposição. Eu já fui muito exposta e julgada por pessoas que nem me conheciam. Não sei se estaria pronta para ser observada durante todo o dia. Não sei se estou com o psicológico preparado.

Mas a Record chegou a fazer alguma proposta a você?
Não recebi nenhum convite. Tem gente falando que eu receberia 100.000 reais para participar, mas é mentira. Claro que eu gostaria de ter esse dinheiro, porque quero dar uma condição melhor para os meus pais, mas este é um valor que estou longe de possuir. Estou trabalhando bastante, tenho muitos projetos, estou estudando teatro, mantendo contatos na TV e investindo no meu futuro. Mas retorno financeiro ainda não tive.

Nem com os vestidos?
Os vestidos ainda devem demorar de três a quatro meses para dar retorno. Tudo o que eu faço é na raça, por conta própria. Fechei acordo para vender os vestidos numa loja no Bom Retiro e agora também quero estar presente na (rua) 25 de Março.

E a sua boneca, por qual empresa sairá?
Não quero dar o nome da companhia porque pode aparecer uma empresa mais bacana me fazendo uma proposta, né?

Está certo. Mas você já definiu se a boneca terá um vestido curto como aquele que você usava na Uniban?
Ela vai ter um vestido normal, padrão, até mesmo porque é um brinquedo. A ideia não é fazer curto, já que é um produto para criança. Por isso, também, a boneca vai vestir rosa, que é uma cor das meninas, mais meiga, mais infantil.

Você alguma vez pensou em aposentar os vestidos curtos, após o episódio da Uniban?
Não. Eu amo vestido curto e justo, acho extremamente feminino.

Apesar do desconforto vivido na Uniban, esse episódio lhe abriu possibilidades profissionais. Como você o encara, hoje?
Nossa, amore, foi uma coisa muito ruim, algo que nunca vou esquecer. Tenho na minha mente tudo o que aconteceu, segundo por segundo. A minha vida mudou foi por causa da minha atitude. Em momento algum, eu me deslumbrei com o fato de me tornar uma pessoa famosa. Eu nem me considero uma celebridade. Tenho os pés no chão.

Você já chegou a ter pesadelos com o que aconteceu?
Já tive muitos pesadelos. No começo, via em páginas da internet pessoas falando de mim e recebi mensagens agressivas de alunos da Uniban. A repercussão foi tão grande que a imagem da faculdade, não só no Brasil, mas no mundo, acabou ficando meio chata. Alguns estudantes se revoltaram comigo. Viver isso foi um grande pesadelo, especialmente porque moro em Diadema, perto da faculdade. Hoje, consigo controlar melhor o que sinto.

E o que você sente em relação ao ator Alexandre Frota?
Olha, eu acabei me aproximando da Record, onde participei de vários programas e tenho amizade com todo mundo lá dentro, com a Ana Hickman, com o Frota… Ele é uma pessoa que admiro muito, porque fez uma série de trabalhos que é melhor a gente nem comentar, e conseguiu dar a volta por cima. Hoje, tem lugar garantido como diretor de produção na emissora. E tem ideias superbacanas. Ele me dá várias dicas profissionais, me fala para ir a determinados eventos, para ficar mais solta na TV. Mas, como homem, não me atrai, não faz o meu tipo. Eu gosto de homem mais reservado, nem tão bombado.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

'Frota não é meu tipo. Prefiro os menos bombados', diz Geisy após boato de namoro

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.