Dois homens, de 48 e 58 anos, acusados de pedofilia, foram presos pela Polícia Civil do Paraná (PCPR) após o cumprimento de mandados de prisão expedidos em abril deste ano. A dupla, formada pelo padrasto e namorado da avó de uma criança, teriam abusado sexualmente da menor entre os anos 2008 e 2011. Os abusos começaram quando ela tinha 9 anos de idade e continuaram até os 12. O padrasto foi preso no bairro Umbará, em Curitiba, e o namorado da avó foi capturado na Cidade Industrial de Curitiba; ambos nesta sexta-feira (3).

Abusos

De acordo com a PCPR, a violência começou no bairro Tatuquara, em Curitiba, quando a menor era abusada por seu padrasto na época em que tinha 9 anos de idade, em 2008. Os abusos aconteciam enquanto o suspeito (desempregado) ficava em casa, no período em que a mãe da criança trabalhava, tomando conta da menina e da irmã mais nova.

“Ela [a criança] relatou na delegacia que o padrasto se aproveitava dos momentos em que ela estava sozinha em casa, enquanto a mãe estaria trabalhando, para passar a mão e genitália pelo corpo dela”, explicou a chefe e delegada do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) da Polícia Civil do Paraná, Ellen Victer.

Foto: PCPR

De acordo com a delegada, quando a mãe tomou conhecimento dos abusos, em 2011, ela decidiu levar a criança, na época com 12 anos de idade, para morar com a avó materna. Contudo, sem saber, mais uma vez a história se repetiria: a vítima começou a ser abusada novamente, mas pelo namorado da avó. Os delitos, segundo Victer, aconteciam da mesma forma que as anteriores, ou seja, quando a avó se ausentava, os crimes eram praticados.

O caso só veio à tona quando o Conselho Tutelar registou um Boletim de Ocorrência, no ano de 2011. A partir disso, o Nucria começou a investigar os casos e só agora, em 2020, cumpriu os mandados que culminaram na prisão dos dois suspeitos.

Vítima

Em 2017, após ter sido abusada durante anos, a menor foi morta a tiros, aos 17 anos, junto de outras duas pessoas, inclusive o namorado, dentro de um carro no bairro Tatuquara, em Curitiba. O homicídio aconteceu no dia 4 de agosto. No entanto, segundo a delegada, o assassinato não tem ligação com os abusos sexuais sofridos durante a infância, até onde a PCPR tem conhecimento. O caso é investido pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil.