Suspeita de levar o tio já morto para sacar um empréstimo em um banco, Érika de Souza Vieira Nunes, 43, afirmou a policiais que o idoso -Paulo Roberto Braga, 68- queria o dinheiro para comprar uma televisão e reformar a casa na qual morava em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Ela foi presa em flagrante nesta terça (16) por suspeita de levar o idoso já morto para sacar R$ 17 mil na agência bancária.

A reportagem teve acesso ao primeiro depoimento de Érika aos investigadores. Nele, ela afirmou que há cerca de uma semana seu tio passou mal dentro de casa e foi levado à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Bangu, na qual ficou internado por cinco dias com quadro de pneumonia.

mulher-cadaver-sacar-emprestimo
Mulher leva morto em cadeira de rodas para sacar empréstimo de R$ 17 mil no Rio de Janeiro – Foto: Reprodução

A Fundação Saúde, que faz a gestão da UPA, confirmou essa versão. Em nota, a entidade disse que Paulo deu entrada na unidade no dia 8 de abril e, após tratamento, teve alta no dia 15 -ou seja, um dia antes de ser levado ao banco.

Érika disse no depoimento que o idoso ficou sob seus cuidados após ser liberado pelos médicos. Ainda segundo ela, ela costuma cuidar dele pois os dois são vizinhos.

Ao receber alta, Paulo teria dito a ela que havia solicitado o empréstimo de R$ 17 mil, que teria sido feito a uma empresa no dia 25 de março.

“O empréstimo não foi realizado pelo banco e sim por uma empresa. Para sacar o dinheiro ele precisava ir até o banco e assinar”, disse o delegado Fábio Souza, que investiga o caso. Ele não explicou como exatamente teria funcionado o empréstimo, nem qual a empresa responsável.

O delegado confirmou que Érika e Paulo são parentes, mas afirmou que existe um erro de registro na árvore genealógica da família. Por isso, disse que eles são primos, embora ela o chame de tio.

Há relatos de que Érika teria passado em outro shopping antes de ir para o local da agência, que fica em outro shopping. Lá, teria inicialmente pegado a cadeira de rodas e tentado comprar um celular, além de sacar dinheiro em outro banco. Depois disso, ela teria chamado um carro de aplicativo e levado a cadeira de rodas. A polícia ainda apura se essa sequência de fato aconteceu.

Imagens de câmeras de segurança mostram Érika no estacionamento do Shopping Bangu, onde fica a agência no qual aconteceu o caso. O vídeo mostra ela descendo do carro de aplicativo e colocando o tio na cadeira de rodas, com a ajuda do motorista -que ainda não foi ouvido.

Ainda em seu depoimento, Érika disse que o tio “mostrou desejo de retirar o dinheiro [do empréstimo] pois queria comprar uma televisão e realizar uma reforma em sua residência”.

Ela disse também que “seu tio antes de sair de casa e dentro da agência estava consciente, embora debilitado” e que no momento de “receber atendimento que percebeu que seu tio parou de responder”.

Segundo o depoimento, Érika afirmou ainda que “chamou seu tio, tentando acordá-lo, mas sem sucesso; que ao perceber a situação a gerente do banco chamou o Samu”.

O médico do Samu passou a fazer, então, manobras de RCP (Ressucitação Cardiopulmonar). Segundo Érika, seu tio chegou a responder aos estímulos, mas depois parou.

Ela apresentou aos policiais o receituário médico do idoso, além da nota fiscal com a compra de medicamentos.

“No momento em que chegou à delegacia a declarante se encontrava em estado emocional abalado e sob o efeito de medicação de uso controlado. Por isso, estava com seus reflexos desestabilizados e sem controle normal de seus sentidos devido aos efeitos da medicação”, afirma o texto do depoimento.

Érika também ainda que é paciente bariátrica e que possui uma filha de 14 anos, que precisa de cuidados.

Sua advogada, Ana Carla Corrêa afirma que confia na inocência da cliente e que Paulo chegou com vida ao banco.

O médico do Samu que fez o atendimento afirmou em seu depoimento afirmou que o idoso apresentava marcas roxas características de quem havia morrido havia duas horas -Érika chegou ao shopping às 13h02, a gerente do banco afirma que o atendimento ocorreu por volta das 15h.

“É indiferente se ele morreu dentro ou fora do banco. O fato é que ela, vendo que ele já não respondia estímulos, insistia no empréstimo, segurava a caneta para ele assinar. Isso caracteriza a fraude”, disse o delegado.

Peritos legistas irão atestar a causa da morte de Paulo. Érika segue presa e aguarda audiência de custódia.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Mulher suspeita de levar idoso morto para sacar empréstimo diz que dinheiro seria para TV e reforma

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.