A defesa do empresário Fernando Sastre de Andrade Filho, 24, ofereceu uma ajuda financeira para a família do motorista de aplicativo morto após acidente na madrugada de 31 de março, na zona leste de São Paulo.

O empresário dirigia um Porsche em alta velocidade quando colidiu com o carro conduzido por Ornaldo Silva Viana, 52, que morreu.

Em petição incluída no inquérito nesta quinta-feira (11), a defesa afirma que “dentro das dependências policiais e através da autoridade policial por meio verbal, se colocaram, junto ao advogado dos familiares da vítima, à disposição para as assistências necessárias, algo momentânea e prontamente rechaçado pelo nobre defensor ao argumento de que ‘não era o momento'”.

Porsche-acidente-SP
Defesa de dono do Porsche oferece 1 salário mínimo por mês para família de motorista morto. Foto: Reprodução/Redes sociais

Não está claro quando a oferta foi feita. A reportagem procurou a defesa de Fernando Sastre nesta sexta (12), mas não obteve retorno até a publicação deste texto. O caso corre em segredo de Justiça.

Os advogados do empresário afirmam, ainda na petição, que familiares da vítima têm dito por meio da imprensa que enfrentam dificuldades financeiras, e que por isso novamente ofereceram uma ajuda financeira de R$ 1.412 (um salário mínimo) por mês.

“Sensíveis ao momento, reiteram aqui o manifesto intento colaborativo, com uma ajuda financeira mensal no importe de 1 salário-mínimo, ao qual se dispõem a depósito em conta a ser fornecida pelo defensor constituído dos familiares”, diz o documento.

A defesa da família de Ornaldo também foi procurada, por e-mail e ligação telefônica, mas não houve retorno.

Na mesma petição, a defesa de Fernando alega que a família do empresário tem sido alvo de tentativas de extorsão pelas redes sociais. Entre as provas apresentadas, inclui a conversa de um homem que procura pela mãe de Fernando, alega que também é testemunha do acidente e pede para falar com ela antes de comparecer à delegacia.

Os advogados afirmam, ainda, que em razão de ser um caso de midiático, testemunhas têm “comparecido de forma espontânea perante a autoridade policial, possivelmente com pleno conhecimento, através da mídia, dos depoimentos já prestados por testemunhas ouvidas no feito, o que pode gerar significativo prejuízo à investigação, bem como comprometer a lisura destes depoimentos”.

ENTENDA O CASO

Na noite do crime, Fernando esteve em dois estabelecimentos com os amigos. O primeiro foi um bar em que ele e outras três pessoas consumiram R$ 620. Em seguida, foram a uma casa de pôquer, onde Fernando ganhou R$ 1.000 e consumiu R$ 400.

A polícia investiga o caso e buscar provar se Fernando consumiu bebida alcoólica na noite do acidente ou não. A Folha de S.Paulo teve acesso ao inquérito, que esteve no local em que Fernando e amigos estiveram antes do acidente. Em um dos estabelecimentos, eles consumiram oito drinques chamado Jack Pork –feito com uísque, licor, angostura e xarope de limão siciliano–, além de uma capirinha de vodca.

Também foi consumida uma água, um torresmo, um bolinho de costela, um hambúrguer e outros dois salgados. O total gasto foi de R$ 620. No inquérito é dito que ainda não é possível confirmar se há imagens de Fernando ingerindo bebida alcoólica, mas que existe, sim, a possibilidade de que ele tenha consumido álcool.

Juliana de Toledo Simões, namorada de Marcus Vinicius Rocha, prestou depoimento à Polícia Civil no último dia 3 e afirmou que Fernando foi aconselhado a não dirigir por estar um pouco alterado.
De acordo com a advogada de defesa de Fernando, Carine Acardo Garcia, a depoente se referiu à discussão que ele teve com a namorada, que por isso estava “alterado”.

Rocha que foi gravemente ferido no acidente prestou depoimento no hospital e afirmou que Fernando bebeu na noite do acidente.

Já Giovanna Silva, namorada de Fernando, disse em depoimento na última terça que ele não bebeu na noite do acidente. Afirmou que os dois namoram há oito anos e têm um combinado de que quando um bebe o outro não consome bebida alcoólica. Disse também que o namorado não bebeu nada alcoólico porque não gosta de beber enquanto joga para não perder a atenção.

A jovem afirmou ainda que pediu para ir embora, mas que Fernando não queria porque estava ganhando. Ela insistiu até que ele concordou, ficando “bastante alterado e irritado, iniciando uma forte discussão, por também se irritar com facilidade”, segundo trecho do relato do depoimento.

Em seu depoimento à polícia, Fernando afirmou não ter consumido bebida alcoólica antes do acidente e disse estar um pouco acima da velocidade permitida na avenida quando bateu. Imagens da câmera de segurança de um posto de gasolina próximo ao local do acidente mostram o carro de luxo trafegando muito acima da velocidade de outros veículos.

De acordo com o Código Penal, suspeitos não são obrigados a colaborar com a Justiça e a produzir provas contra si, mas testemunhas são obrigadas a falar a verdade em depoimentos. A punição por falso testemunho vai de 2 a 4 anos de reclusão, além de multa.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Defesa de dono do Porsche oferece 1 salário mínimo por mês para família de motorista morto

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.