Guilherme Santos comentou situação atual do Paraná (Geraldo Bubniak/AGB)

Convivendo com problemas de atrasos salariais, que por pouco não fizeram com que os atletas não se concentrassem para o jogo, o Paraná passou em branco mais uma vez e empatou sem gols com o Criciúma, neste sábado (24), na Vila Capanema. Após a partida, que completou a sétima partida consecutiva sem vitórias, o lateral-esquerdo Guilherme Santos lamentou a ausência de resultados e negou interferência dos salários na fase ruim do clube.

“Temos que ser profissionais e trabalhar. Todos sabem que o trabalhador é digno e isso não interfere em campo. Temos que valorizar o clube e a torcida, que têm respeito e mais anos que qualquer um de nós aqui. Na Série B isso acontece, temos que levantar a cabeça para ganhar, independente se pagam ou não. O presidente e quem é responsável que têm a consciência se a gente tem que receber ou não”, comentou o jogador em entrevista na saída do gramado.

O lateral-esquerdo também revelou que não houve um acordo com a diretoria com relação a um prazo estipulado para a quitação das pendências com os atletas. “Não sabemos nada. Teve uma reunião aí, não deram prazo ainda. Temos que deixar isso para a diretoria e para o pessoal que sabe resolver. Temos que melhorar no campeonato e procurar fazer o que a gente sabe de melhor que é jogar”, completou Guilherme Santos.

Com o empate diante do Criciúma, o Paraná chegou a sete jogos sem vencer (três empates e quatro derrotas) e pode se distanciar ainda mais do G4. Neste momento, o Tricolor tem 25 pontos e está na 10ª colocação da Série B.

Confira a transmissão do empate do Paraná: