Athos Schwantes busca a classificação para a Olimpíada. (Reprodução/Instagram)

O curitibano Athos Schwantes foi o melhor brasileiro no GP de Cali de Esgrima, a primeira competição de Espada válida para o “ranking olímpico”, que define os classificados para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. O esgrimista terminou a competição na Colômbia na 52ª posição.

Schwantes venceu cinco dos seis duelos na fase classificatória. Na chave de 128 jogadores, o esgrimista venceu o alemão Fabian Herzberg por 15 a 9. Porém, no grupo dos 64 melhores, o curitibano caiu para o francês Ronan Gustin por 15 a 10.

“Eu saí contente com o mesmo desempenho, fui o melhor brasileiro dos sete que estavam lá e conquistei pontos importantes na corrida olímpica”, disse Schwantes, em entrevista à Banda B.

O esgrimista ainda analisou o seu desempenho nos dois dias de competição. “Na fase classificatória, eu disputei seis combates, venci cinco e perdi um por um toque de diferença. Eu tive que jogar as eliminatórias, joguei contra um atleta da Alemanha e ganhei por 15 a 9. Com essa vitória, eu me classifiquei para o segundo dia de competição, entre os 64 melhores”, comentou.

“Já no segundo dia, eu joguei contra um atleta da França, que é bem forte e sempre compõe o time francês. Eu estudei muito o jogo dele, estabeleci algumas estratégias junto com os meus técnicos, mas tive alguma dificuldade para aplicar o meu jogo no início do primeiro tempo. No segundo tempo, eu consegui ajustar alguns detalhes e até encostei no placar. E no terceiro tempo, ele jogou bem e o combate terminou 15 a 10”, acrescentou o curitibano.

Os outros brasileiros no GP de Cali foram Nicolas Ferreira (122º lugar na classificação geral), Fabrizio Lazaroto (123º), Richard Grunhaser (127º), Gabriel Bonamigo (135º), Lucas Busnardo (155º), Jaime Rodriguez (156º) e Leandro Seini (177º). Melhor brasileiro no ranking da Espada, na 102ª posição, Alexandre Camargo ficou de fora da etapa de Cali.

Próxima competição

O próximo desafio de Schwantes para conquistar pontos no “ranking olímpico” é em Paris, a partir do dia 17. “É a competição mais tradicional e uma das mais difíceis. A minha expectativa é de pontuar no ranking, conquistar um resultado inédito de passar do grupo de 64 e conquistar o melhor resultado da minha carreira justamente nesta prova. Será importante somar mais uns pontos importantes visando Tóquio”, destacou.