Radares analisados pelos profissionais do Simepar. Foto: Simepar/Reprodução

 

Horas depois do estrago que os ventos fortes causaram em Itaperuçu, município metropolitano de Curitiba, o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) garantiu que, até o momento, não há sinais técnicos de que a região foi atingida por um tornado. A informação foi dada por meio do siet oficial do órgão, no início da tarde deste sábado (1º).

Segundo o Simepar, há identificação do avanço de uma linha de instabilidade na região afetada e também em Rio Branco do Sul, município vizinho. “Este tipo de sistema costuma provocar ventos fortes, e é comum identificarmos, em algumas situações, a ocorrência de tornados e microexplosões. Estes fenômenos que geralmente estão associados a ventos intensos”, analisa o meteorologista Samuel Braun.

O radar meteorológico do Simepar que fica em Teixeira Soares, a cerca de 100 quilômetros de Itaperuçu, identificou o avanço da linha de chuva. “Em torno de 6 km de altura (elevação de 2,3°), sobre o referido município, identificou-se refletividades elevadas, indicando que a tempestade possuía grande desenvolvimento vertical (imagem das 18 h e 45 min)”, diz o comunicado.

Já na estação meteorológica de Cerro Azul, uma das mais próximas de Itaperuçu e Rio Branco do Sul, os ventos alcançaram os 78,5 km/h entre as 19 e 20 horas. “Já com base nas imagens dos estragos observados nos municípios, estima-se que os ventos tenham alcançado e até ultrapassado os 100 km/h em alguns pontos”.

Entretanto, não houve até o momento (meio-dia), garante o Simepar, a identificação de sinais da passagem de um tornado pela região. Isso ocorre pela falta de confirmação da formação do funil, comum neste tipo de fenômeno.

O meteorologista acredita que, provavelmente, o que ocorreu na região tenha sido uma microexplosão, fenômeno em que um forte jato de vento desce ao solo de uma única vez, causando estragos.