Entidades da classe jornalística lamentaram nesta segunda-feira (20) a censura imposta à RIC TV, que teve seu programa “Balanço Geral” impedido judicialmente de levar ao ar uma reportagem de interesse público. A série “Guerra de Facções”, do jornalista Ricardo Vilches, expõe as complexidades do tráfico internacional de drogas, envolvendo investigações sobre possíveis casos de corrupção.

WhatsApp Image 2024-05-20 at 17.56.04
Foto: Reprodução/RIC TV

Entre as entidades que se manifestaram contra a decisão da Justiça, estão o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR), a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) e a Associação das Emissoras de Radiodifusão do Paraná (AERP).

O entendimento é de que a decisão judicial não respeita o princípio fundamental da liberdade de imprensa e o direito público e constitucional à informação.

Leia as notas na íntegra abaixo:

NOTA SINDIJOR PR E FENAJ

“O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) e a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) lamentam e repudiam veementemente a censura imposta à RIC TV, que teve seu programa “Balanço Geral” impedido judicialmente de levar ao ar uma reportagem de interesse público. A série “Guerra de Facções”, produzida com rigor jornalístico, expõe as complexidades do tráfico internacional de drogas, envolvendo investigações sobre possíveis casos de corrupção.

É inadmissível que o exercício legítimo do jornalismo seja cerceado, especialmente quando se trata de informar a população sobre questões tão relevantes para a sociedade. A decisão judicial, sob a alegação de proteção à honra e imagem, ignora o princípio fundamental da liberdade de imprensa e o direito público e constitucional à informação. Manifestamos nosso apoio irrestrito à RIC TV e sua busca pelo esclarecimento dos fatos, reiterando a importância da liberdade de expressão e do jornalismo responsável para o fortalecimento da democracia.”

NOTA AERP

“É com grande preocupação que a Associação das Emissoras de Radiodifusão do Paraná (AERP) acompanha a determinação judicial que impede a veiculação de reportagem de interesse público, produzida pela equipe da RIC TV em Curitiba. Entendemos que a decisão judicial que proíbe a exibição do material atenta contra o direito constitucional de livre exercício do trabalho jornalístico e, consequentemente, contra o direito à informação da população. É fundamental que todos tenham acesso a informações bem apuradas e responsáveis, que contribuam para o debate público e para a construção de uma sociedade mais justa e transparente. É essencial que este compromisso seja respaldado e que o direito desta e de todas as emissoras de informar seja respeitado integralmente. Nesse sentido, a AERP reitera seu apoio à RIC TV e às emissoras que estejam enfrentando situação de censura no trabalho responsável produzido pelas equipes de jornalismo.”

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Entidades repudiam decisão judicial que censura reportagem da RICtv

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.