Acompanhando de perto o julgamento de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá – acusados de matar a pequena Isabella em 2008 –Glória Perez aproveitou o intervalo para o almoço, nesta sexta-feira (26), para narrar pelo Twitter os momentos que considera mais importantes.
Do Fórum de Santana, em São Paulo, a novelista abriu seus posts elogiando a performance do promotor Francisco Cembranelli, que se mantém calcado na cronologia e na perícia para colocar os réus na cena do crime.
“Cembranelli não deixou pedra sobre pedra! Ele confrontou a versão dos réus com o relógio: impossível tirar o casal da cena do crime! Cembranelli mostra registros de telefonemas da Jatobá, do telefone fixo e do celular: nenhum para o resgate!”, escreveu a autora.
Segundo ela, o promotor foi rápido e impecável, calando o advogado de defesa, o criminalista Roberto Podval. “Promotor expõe as provas da esganadura e asfixia. Acusa Jatobá, mostrando as marcas no pescoço de Isabella. Defesa pergunta: como o senhor sabe que foi ela? Promotor diz: então foi ele! Só eles dois estavam lá! Defesa se cala”, comemora a escritora.
Glória – que teve a filha, Daniela, assassinada em 1992 -afirmou ter comparecido ao julgamento em apoio à família de Ana Carolina Oliveira. Em seu blog, ela desabafou: “Que se faça Justiça para a pequena Isabella!”

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Glória Perez está há dois dias no julgamento dos Nardoni, em SP

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.