Preta Gil surge radiante em um maiô dourado com seu sorriso largo na capa de seu novo EP “De Volta ao Sol”. Assim a cantora marca não só um recomeço em sua carreira, mas também em sua vida pessoal, após passar por um tratamento de um câncer colorretal no último ano, que anunciou recentemente estar curada.

A artista comemorou os 15 anos do Bloco da Preta em um show na Rio Arena, no Rio de Janeiro - Foto: Reprodução/Redes Sociais
A artista comemorou os 15 anos do Bloco da Preta em um show na Rio Arena, no Rio de Janeiro – Foto: Reprodução/Redes Sociais

“Dá a volta por cima, você não tá sozinha, joga tristeza pra lá”, diz a letra da canção que aponta para o futuro da artista. Preta vinha nos últimos meses se apresentando com sua família na turnê “Nós, a Gente”, mas a sua volta mesmo aos palcos aconteceu no último Carnaval.

A artista comemorou os 15 anos do Bloco da Preta em um show na Rio Arena, no Rio de Janeiro. Ela ainda se apresentou com o pai Gilberto Gil no Camarote Expresso 2222, em Salvador. Preta, porém, se sentiu indisposta na terça de Carnaval e preferiu descansar.

“Estou voltando aos poucos. Ainda tenho muitas limitações físicas em razão do tratamento que deixou sequelas profundas em mim, não só físicas, como emocionais”, diz a cantora em uma conversa por videochamada. Ela compartilha que também não tem feito grandes planos. “Essa minha reintrodução será muito responsável e criteriosa.”

Um desses seletos planos é ser headliner do Festival Feira Preta que acontece nos dias 4 e 5 de maio. O evento, idealizado por Adriana Barbosa há cerca de 20 anos, é voltado para áreas de empreendedorismo, tecnologia, música e artes visuais, além de promover discussões sobre tendências produzidas por pessoas pretas no campo da economia criativa.

Agora no Parque do Ibirapuera, o evento quer entrar no calendário dos festivais de médio e grande porte da cidade de São Paulo, tendo Preta como uma de suas principais atrações. Parceira da Feira Preta há muitos anos, a cantora vê sua participação como uma forma de se fortalecer e fortalecer este espaço.

“Tenho aceitado fazer muito pouca coisa, mesmo porque estou vivendo um dia de cada vez. Não posso ter uma agenda cheia de shows e compromissos, se meu corpo ainda não corresponde a isso. Mas nesse caso é o contrário: faz parte da minha reabilitação participar do Festival Feira Preta.”

A artista diz isso porque vê o espaço como uma plataforma de luta antirracista, uma de suas principais bandeiras. Ela levará seu show Baile da Preta para uma plateia composta por diferentes gerações e majoritariamente não branca.

“O que percebo é que o público, principalmente de pessoas pretas, LGBTQIA+ e as ditas minorias, que a gente sabe que não são minorias, mais do que poder acessar um festival, elas querem ter a sensação do pertencimento na narrativa: ‘Esse festival é feito por pessoas como eu, esse festival é fruto de uma resistência, esse festival é nosso’.”

A cantora é conhecida por seus posicionamentos políticos em defesa da pluralidade das identidades, seja de raça, sexualidade e gênero. Seus discursos feitos nos shows com sua família após cantar a música “Vá se Benzer”, uma parceria com sua madrinha Gal Costa, em 2017, viralizaram nas redes sociais.

“Sou Preta Maria, tenho 49 anos. Sou uma mulher gorda, bissexual, tenho uma neta de oito anos. Acabei de vencer um câncer”, enumera a cantora para logo em seguida convocar a plateia: “Diz aí quem é você”.

“Aconteceu diversas vezes de as pessoas falarem ‘não sei quem eu sou’. Isso é um grande buraco em nós, a gente não saber quem a gente é. Essa é uma busca que devemos fazer diariamente: saber quem somos e dar propósito à nossa existência. Então, eu fico feliz em, muitas vezes, ajudar as pessoas a saberem quem elas são.”

Preta, no entanto, não quer ser uma referência para ninguém. Isso mesmo após enfrentar o tratamento de um câncer que durou cerca de 12 meses e a fez passar por sessões de quimioterapia, retirar um tumor na região abdominal e o útero, usar uma bolsa de ileostomia e fazer outro procedimento para reconectar o intestino. Tudo isso sem nunca se revoltar.

“Não tenho essa pretensão e não me coloco nunca como referência para que eu não deixe de buscar as minhas próprias referências e para que eu possa evoluir. Acho que quando a gente se coloca nesse lugar de ‘ah, eu sou uma referência’ é um pouco arriscado para si próprio. Fico feliz de ao longo dos meus 50 anos poder inspirar pessoas, jogar luz nelas e colaborar com elas.”

Neste domingo, a cantora fez uma atualização sobre seu estado de saúde em suas redes sociais. “Vim aqui para falar que meus exames oncológicos foram todos muito bons. Está tudo bem comigo. Minha saúde está ótima graças a Deus”. Ela, no entanto, descobriu uma hérnia de disco, que diz que vai tratar com RPG, pilates e fortalecimento.

Preta ainda estreia no próximo dia 11 como apresentadora do TVZ, programa musical do Multishow, e estará no centro do Roda Viva, na TV Cultura, nesta segunda-feira (4). Ela também está na programação de festivais como C6 Bank e Rock in the Mountain, que acontecem em maio e junho deste ano, respectivamente.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

‘Tenho sequelas profundas’, diz cantora Preta Gil sobre volta criteriosa aos palcos

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.