Sérgio Mallandro agrega fãs há mais de quatro décadas. Desde 1981, fez sucesso, muito sucesso mesmo. Na TV, no cinema e gravando discos. Em todas essas áreas, nunca se preparou para nenhuma. Fez tudo de improviso. E assim, falando o que vinha à cabeça a cada momento, comandou 15 programas em oito emissoras.

sergio-mallandro-redes-sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Aos 68 anos, ele está de volta aos cinemas com “Mallandro, o Errado que Deu Certo”, que estreia nesta quinta (13). É uma mistura de episódios reais, um pouco de ficção e, claro, muita improvisação. O filme é inspirado por seu pior momento, entre 1996 e 1999, quando, demitido do SBT, perdeu tudo o que tinha —carros, moto, casa, roupas— e ficou com R$ 7 na conta bancária.

O filme é bastante cruel com ele. As ideias que Mallandro tenta emplacar para voltar à TV são medíocres ou simples cópias de atrações populares já conhecidas. Ele só é inventivo quando se põe a dizer seus monólogos filosóficos, outra marca registrada de seu humor. Eles não estavam no roteiro, eram criados com a câmera ligada, com a liberdade dada por Marco Antonio de Carvalho, que foi seu diretor em dois programas no Multishow.

Nas ruas, ele continua a ser reconhecido e abordado por fãs que pedem os bordões que criou, que ele transmite aos gritos: “Glu-Glu”, “Rá!” e “Ié-Ié”. Isso se repete constantemente no filme.

“Acontece o tempo todo na minha vida. Em qualquer lugar, as pessoas pedem para que eu faça um glu-glu, querem que eu grave um vídeo para mostrar para os parentes, é isso o tempo todo.” Ao encontrar Mallandro para a entrevista em São Paulo, este repórter comprovou que o assédio é verdadeiro, intenso e até insano. As pessoas não querem conversar, elas exigem os bordões infantis.

“Quando estou triste, por qualquer motivo, prefiro nem sair de casa. Porque isso não para”, conta. “Fico torcendo para não morrer nenhum parente ou amigo, porque não há condições de eu ir a um velório. As pessoas se transformam quando olham para mim, viram crianças. Minha mãe me chamou para ir ao enterro do meu tio e eu disse que era melhor não ir, que ia dar merda. E deu!”

Mallandro sempre fez os outros rirem dessa forma, com papo engraçado, sem roteiro. Em 1981, entrou para o elenco de “Menino do Rio” por sua amizade com o protagonista André De Biase, que o apresentou ao diretor Antônio Calmon. O cineasta queria um representante típico da “fauna” das praias cariocas.

“Sempre fui assim, na escola, na praia. Chegava, começava a contar algo engraçado que tinha acontecido para uma ou duas pessoas, e de repente tinha uma dúzia de gente em volta prestando atenção.” A entrada na TV também veio de forma parecida. Participou como competidor no programa “Cidade Contra Cidade”, de Silvio Santos, e seu jeitão trouxe convites para integrar a bancada de jurados de Silvio e a trupe de Wilton Franco no popularesco “O Povo na TV”.

Logo surgiu seu primeiro bordão, o “Glu-Glu”. Em 1982, lançou um álbum puxado pelo sucesso “Vem Fazer Glu-Glu”, que vendeu um milhão de cópias! “Eles estavam surdos!”, comenta o também cantor, que gravou mais quatro discos até 1994. Enquanto isso, fez uma série de filmes no cinema.

Teve projetos sozinho, um filme com os Trapalhões e uma bobagem sem tamanho que estrelou ao lado de Faustão. Ele foi escolhido para ser o príncipe de Xuxa em “Lua de Cristal”, em 1990. O filme se tornou a maior bilheteria dos cinemas brasileiros naquela década, com mais de cinco milhões de espectadores. Xuxa aparece em “Mallandro, o Errado que Deu Certo”. Numa cena, ele é eletrocutado em um programa na TV. Entre a vida e a morte, vai às portas do Céu e a figura divinal que o recebe é a Rainha dos Baixinhos.

Estão no filme as infames “Pegadinhas do Mallandro”, fundamentais para uma nova fase de boa aceitação do público. Em 1999, iniciando um programa na CNT, entrou disfarçado num ônibus carregando uma bomba fake. Com câmera escondida registrando, as pessoas reagiram desesperadas, fugindo até pelas janelas. A polícia foi chamada, e a emissora, processada. “A exibição deu 19 pontos no Ibope. Saiu no jornal, nas revistas, em todo lugar, que eu tinha quebrado pela primeira vez a liderança da Globo”, recorda Mallandro.

As famosas pegadinhas são tratadas como parte de seu inferno particular. Em várias cenas, as pessoas não levam nada que ele diga a sério, acham que é pegadinha. E fora da tela é a mesma coisa.

Na pandemia, passou oito dias internado com Covid. “Estava deitado, sozinho naquela penumbra da enfermaria, e aí um médico veio com aquela máscara azul, para me dizer que eu seria intubado. Reagi aos gritos, dizendo que era impossível. Afinal, achava que estava me recuperando. Aí o cara berrou “pegadinha do Mallandro”! Rapaz, meu coração disparou. Que brincadeira mais cruel!”

O filme não o acompanha até seu momento atual. Ele faz em teatros lotados o show “Os Perrengues do Mallandro”, mais uma vez se valendo do improviso. Lotar casas com mais de 3.000 assentos como Tokyo Marine Hall (SP) e Qualistage (RJ) é uma volta por cima para quem encarou circos pequenos pelo interior do país na fase decadente. “Teve um com umas dez pessoas pagando ingresso e uma dúzia de cachorros em volta. Tinha mais cachorro que público.”

“Naquela época não tinha internet, não tinha nada. Você dependia totalmente da televisão”, diz o homem que apresenta desde 2021 no YouTube o videocast de entrevistas “Papagaio Falante”, classificado pelo Instituto iBest entre os 20 mais assistidos no país. E ele diz sentir na internet as mudanças na sociedade.

“Hoje não pode falar determinadas coisas que antigamente você podia. Na minha época, ninguém odiava ninguém como hoje. As pessoas se sentavam à mesa e discutiam, zoavam uns com os outros. Hoje elas se odeiam. Na minha turma ninguém entendia de política, ninguém se manifestava, ninguém se interessava por isso”, afirma Mallandro, representando talvez uma geração entre a inocência e a alienação.

Ele ressalta que não desiste fácil. “Podem tirar tudo de mim, minha roupa, meu carro, meu dinheiro, mas a minha essência ninguém pode tirar. Ninguém pode tirar o que está dentro de você. Tenho que me reinventar? Então vou bater de porta em porta e vou para a guerra!”.

MALLANDRO, O ERRADO QUE DEU CERTO

Quando Estreia nesta quinta (13) nos cinemas
Classificação Livre
Elenco Sergio Mallandro, Marianna Alexandre, Guuilherme Garcia, Xuxa
Produção Brasil, 2024
Direção Marco Antonio Carvalho

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Sergio Mallandro, que lança filme, afirma que ninguém odiava ninguém como hoje

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.