O Miss Universo Brasil celebra na noite deste sábado (8), em São Paulo, a eleição de uma nova ocupante para seu trono. Com o fim do reinado da capixaba Mia Mamede, 27, resta saber agora quem será a nova representante do país no Miss Universo 2023, que está programado para acontecer em dezembro, em El Salvador.

miss brasil universo
Divulgação

A novidade entre as 27 candidatas –representantes dos 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal–, é que no grupo estão três misses mães: Goiás, Piauí e Maranhão. Após 70 anos de história, a regra mundial mudou, o que permitiu essa entrada. No topo disso tudo, será que elas são as favoritas para vencer? Se não, quais são? Quem tem mais chances? E o que esperar do show?

Para entender esses pontos e antecipar o que pode acontecer, quatro especialistas em concursos de beleza, os chamados de “missólogos”, fizeram sua análise sobre a edição, com exclusividade para a coluna.

Segundo os especialistas, neste ano, houve um resgate da competitividade, e as meninas estão bem preparadas. “Vejo o grupo com força e acredito que as veteranas vão abrilhantar o show, pois têm experiência, e uma miss é essencialmente feita por uma construção”, explica João Ricardo Camilo Dias, curador da página Miss Brazil On Board (@missbrazilonboard).

“É um grupo de candidatas escolhido dentro de uma retomada de concursos estaduais. Acredito que, enquanto se valorizar isso, teremos sempre a expectativa de encontrar a melhor escolha”, emenda.

A dupla de missólogos piauienses Luís Felipe Bezerra Gaspar, 25, e Samuel Torres dos Santos, 24, que comandam o perfil Com uma Coroa (@comumacoroa), concorda. “Esse ano é um dos mais fortes com relação à competência, e temos tantas meninas boas. Facilmente daria para eleger umas seis misses Brasil. Qualquer uma que for eleita irá nos representar muito bem no Miss Universo.”

Por sua vez, o paulista Renan Lima, 32, integrante do grupo Universo Miss (@grupouniversomiss), reforça que algumas das meninas se prepararam não só para o nacional, mas já tendo o nível do mundial em vista. “Este ano não está para amadores! Várias delas, inclusive, já são destaques em páginas internacionais e comentadas por missólogos de grande prestígio no meio. Vejo a vitória sendo decidida nos mínimos detalhes”, avalia.

O missólogo e empresário gaúcho Henrique Fontes, que comanda o site Global Beauties e também o CNB -que realiza a seletiva de brasileiras para outros mundiais-, diz que, com o bom nível das misses, espera-se um show bom.

“A expectativa é positiva, principalmente porque retorna ao formato tradicional do concurso, de ter presente as representantes das 27 unidades da federação. Também estão trazendo, neste ano, uma identidade própria no mercado, quem vem por meio da classificação, com um Top 7 de finalistas, seguido de Top 3 e Top 2, até chegar à vencedora. Muito bacana!”, pondera.

QUEM SÃO AS MAIS FORTES?

As apostas dos missólogos não diferem muito das que os fãs têm apontado nas redes sociais nas últimas semanas. Em votação extraoficial feita pela coluna, as três candidatas que parecem estar com as mãos mais perto da coroa são, em ordem alfabética, as misses Goiás (Renata Guerra, 27), Rio Grande do Sul (Mari Brechane) e São Paulo (Vitória Brodt). Cada uma recebeu 3 votos.

Atrás delas, estão no páreo as misses Mato Grosso (Bárbara Reis), Santa Catarina (Sasha Bauer) e Sergipe (Gabriela Botelho), com dois votos cada. Em seguida, aparecem Ceará (Beatriz Militão), Distrito Federal (Thayná Lima), Pará (Milena Gomes) e Piauí (Gabriela Menezes).

“Minhas favoritas são: SP, MT, DF, SC e CE”, revela Camilo Dias. “Entre elas, apenas uma candidata não é veterana, que é a Miss Rio Grande do Sul. Vejo ela como uma menina arrebatadora e que surpreende exatamente por, no alto da sua jovialidade e pouca experiência, trazer um frescor e uma emoção nova. Faz tempo que a gente não vê meninas entre 18 e 19 anos se destacando”, diz.

Na seletiva de Lima, contou ele, estão as misses GO, SP, SE, SC e RS. “Quando temos muitas ótimas opções, precisamos pensar estrategicamente no que seria melhor ao concurso como um todo. Como amante do mundo miss e empresário, minha vencedora é a Renata Guerra [Miss Goiás], devido a tudo o que ela representa como mulher, miss, profissional e mãe.”

“Ela é um acontecimento, tem uma energia que transcende”, prossegue. “Vivendo essa nova era e quebra de paradigmas, vejo nela tudo o que precisamos para elevar a marca Miss Universo Brasil e também uma possibilidade real de coroa no Miss Universo.”

“Neste ano, temos um bom grupo de candidatas, com alguns destaques. Do meu ponto de vista, são as misses São Paulo, Goiás e Mato Grosso, além de Pará e Rio Grande do Sul que estão mais perto da coroa”, enumera Fontes. Já para a dupla do Com Uma Coroa, as cinco são: GO, SE, SP, RS e PI.

COMO VOTARAM OS MISSÓLOGOS

  • João Ricardo Camilo Dias: SP, MT, DF, SC e CE
  • Renan Lima: GO, SP, SE, SC e RS
  • Com Uma Coroa: GO, SE, SP, RS e PI
  • Henrique Fontes: SP, GO, MT, PA, RS

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Miss Universo Brasil 2023: saiba quem são as favoritas ao título, segundo especialistas

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.