(Foto: EBC)

Desenvolver ações de educação e segurança no trânsito para prevenir e diminuir os indicadores de acidentes de trânsito, conscientizando a população por meio de campanhas, palestras, abordagens diversas e outros eventos é uma das missões do Departamento de Trânsito do Paraná (DETRAN-PR). Neste final de ano o órgão comemora os 80 anos de sua criação com uma ampla campanha sobre Transito Seguro em todo o Estado.

O tema vem sendo abordado em ações através de blitz educativas e palestras. Nas escolas o assunto também é debatido em forma de apresentações. Além disso, as 101 Ciretrans de todo Paraná estão realizando trabalhos visando conscientizar os motoristas de veículos e motos.

Sobre os motociclistas, a utilização do capacete é obrigatória, porém não basta usar o capacete. A legislação para os motociclistas inclui regras específicas que, quando seguidas corretamente, pode salvar vidas tanto do condutor como do passageiro. O capacete deve ser um modelo certificado pelo INMETRO. A viseira, por sua vez, deve ser do tipo transparente (sendo permitida a escura apenas para uso diurno).

Outra regra diz respeito à proibição do transporte de crianças com menos de sete anos. Essa idade foi estabelecida porque é quando a criança já tem tamanho suficiente para firmar os pedais de apoio do veículo. Mas vale o bom senso de cada um e avaliar a altura da criança antes de decidir dar carona.

Uma das dúvidas comuns do motociclista é sobre o tráfego em faixas de ônibus. A verdade é que tanto carros quanto motocicletas são proibidos de andar nas faixas exclusivas de ônibus. Apesar dessa determinação, é muito comum observar motociclistas infringindo essa lei. Aí é multa na certa!

Outra situação proibida são os malabarismos que alguns motociclistas, irresponsavelmente, fazem em vias públicas ou estradas. Ignorando a lei, colocam em risco não só a própria segurança como a de outras pessoas. Os pilotos que tentarem realizar algum tipo de malabarismo ou empinar a moto, estarão sujeitos à multa.

No Paraná, a cada hora, são registrados, em média, 3 acidentes de trânsito envolvendo motos. A estimativa do Departamento de Trânsito do Estado (Detran) é que todos os anos aproximadamente 500 motociclistas morrem e 20 mil são feridos nestas ocorrências.

Entre muitas causas, a imprudência e a falta do uso do capacete, se destacam. A legislação de trânsito serve, antes de tudo, para a própria segurança do condutor. O capacete diminui consideravelmente o risco de traumas graves e o uso é essencial, no campo ou na cidade, para viagens na estrada e para pequenos trajetos.

Dados do Seguro DPVAT mostram que 65% das indenizações por morte no trânsito pagas no Brasil são para condutores ou passageiros de motos. O índice chega a 90% nos valores pagos por invalidez e 83% nas internações. As vítimas são, na absoluta maioria, homens em idade economicamente ativa: 52% tem entre 18 a 34 anos.

No Paraná, a frota de motocicletas representa apenas 20% do total de veículos em circulação. No entanto, as motos estão envolvidas em 33% dos acidentes registrados e os motociclistas são 38% dos feridos e 23% dos mortos no Estado. Em 2017, foram 21 mil acidentes com motos no Paraná, com 16.874 vítimas.

Em Curitiba, são 150.826 motocicletas, motonetas e ciclomotores registrados, o equivalente a 10,76% da frota da Capital, que soma 1.401.710 veículos. No ano passado, foram 4 mil acidentes com motos e cerca de 2,6 mil vítimas.

É importante dizer que a moto, por si só, não é um veículo perigoso. Ela é um veículo que tem características que exigem um preparo mínimo. Provocar um acidente não requer prática nem habilidade, mas para evitá-lo exige o preparo do motorista, exige educação, exige regras, exige fiscalização e exige punição para quem não as cumpre.