O vice-diretor da Escola Estadual Ivan Ferreira do Amaral foi espancado após separar uma briga por volta das 12h de segunda-feira (25). A instituição, localizada em Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba, teve um protesto de alunos na manhã desta terça-feira (26) pedindo por mais segurança.

Vice-diretor foi espancado e fraturou a clavícula (Foto: Colaboração)

A confusão aconteceu entre um aluno e um ex-aluno em frente à escola. O vice-diretor tentou intervir na briga, mas acabou agredido. O diretor da instituição, Wilson Wallers, contou à Banda B que um terceiro jovem, que não estava na confusão, acabou dando uma rasteira no educador.

“Ontem na saída da manhã, por volta das 12h, houve um contratempo na frente do colégio, em uma discussão entre um aluno e ex-aluno. O vice-diretor aconselhou para parar a discussão e disse que ligaria à polícia. Chegou então um terceiro elemento que agrediu e deu uma rasteira no professor, que bateu a cabeça com força no chão, fraturando inclusive a clavícula”, descreveu.

Segundo o diretor Wallers, após a agressão o Batalhão de Polícia Escolar Comunitária (Bpec) foi acionado para atender a ocorrência. “O agressor fugiu do local e a Polícia Militar foi chamada. O educador foi encaminhado ao Hospital Angelina Caron e depois para o Cruz Vermelha, onde deverá passar por uma cirurgia”, lamentou.

Manifestação

Devido às agressões, alunos fizeram uma manifestação na manhã de hoje, apoiando o diretor e também pedindo por mais segurança. “Somos uma escola tranquila, mas o problema está no entorno, até pela questão do tráfico drogas. Temos a BPEC atuante aqui, mas é um efetivo muito pequeno para tantos problemas”, concluiu o diretor.

Secretaria de Educação

A Banda B entrou em contato com a Secretaria de Educação que enviou a seguinte nota sobre o caso:

A Secretaria da Educação informa que o diretor-auxiliar foi agredido ao tentar intervir em uma briga que acontecia do lado de fora do estabelecimento de ensino mencionado, após o período de aulas da manhã nesta segunda-feira (25). Atualmente ele se encontra internado para realização de procedimento médico. O agressor não é aluno ou ex-aluno do colégio.

O colégio acionou o Batalhão da Patrulha Escolar Comunitária e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Os pais dos estudantes envolvidos serão convocados pela direção do estabelecimento, seguindo os protocolos de segurança conforme o manual de Orientações Práticas de Segurança para Instituições de Ensino. O Núcleo Regional de Educação da Área Metropolitana Norte acompanha a situação.

A Secretaria da Educação reforça a importância do diálogo e do acompanhamento, por parte dos pais, da rotina escolar de seus filhos.