Por Felipe Ribeiro, Luiz Henrique de Oliveira e Antônio Nascimento

SONORA

Foto: Antônio Nascimento - Banda BFoto: Antônio Nascimento – Banda B

As constantes invasões de vândalos ao Colégio Estadual Desembargador Guilherme de Albuquerque Maranhão vem preocupando a comunidade do bairro Tatuquara, em Curitiba. De acordo com o diretor da instituição, Antônio Mendez de Melo, ontem a situação foi ainda mais complicada, já que alguns jovens que não são alunos da escola chegaram a passar para dentro dos muros e as aulas tiveram que ser suspensas.

“Na parte pedagógica, com nossos alunos, estamos tomando todas as medidas possíveis. Esse pessoal vem apedrejar a escola e assusta a comunidade geral. Colocamos recentemente arame nos muros para tentar garantir a segurança e eles com marretas abrem buracos para ainda assim conseguirem entrar”, lamentou. (Ouça a matéria no ícone de áudio)

A mãe de uma aluna, que entrou em contato com a Banda B para relatar o caso, disse temer até enviar a filha para os estudos, uma vez que não sabe a situação da segurança. “As crianças estão traumatizadas, vários casos de violência já aconteceram ali. Hoje só a mandei para a escola porque ela tinha prova, mas fiquei com o coração na mão”, disse.

Segundo o diretor, o bosque que fica nos fundos da instituição talvez seja um dos motivos das invasões, já que é uma área de proteção ambiental. “O bosque fica a mercê de usuários de drogas, que quando não tem o que fazer chegam aqui e apedrejam a escola, com o simples interesse de vandalizar”, comentou.

Melo, que é diretor da escola há 22 meses, mas que trabalha no local há 17 anos, disse que a situação de violência é um problema social do bairro e que tem tomado todas as medidas para tentar coibir esse pessoal. “A Patrulha Escolar vem aqui, mas eles não podem ficar o tempo todo já que cuidam de outras escolas. Amanhã eu estarei indo com um pedreiro tapar esse buraco e esperamos que eles tenham a consciência que quando destroem um patrimônio público, um pouco deles também é devastado”, concluiu.

O diretor se reuniu hoje na Regional do Pinheirinho com a Prefeitura de Curitiba para conversar sobre a segurança no bairro. Recentemente a escola já havia passado por problemas, incluindo professores ameaçados de morte.

A Banda B entrou em contato com a Polícia Militar, mas devido ao Dia do Funcionário Público, uma resposta sobre a segurança no local deve ser repassada apenas na segunda-feira (4).