Divulgação

O crime aconteceu na manhã de 6 de dezembro de 2018, no bairro Tatuquara, em Curitiba. Na ocasião da prisão, a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) informou que o assassinato começou por um desentendimento familiar ocorrido quatro dias antes. Segundo as informações levantadas pela polícia, Deurick namorava a neta da vítima e brigou com o pai da adolescente. Por conta da confusão, Célio teria passado a ser ameaçado, até ser morto no dia 6.

O MP-PR pede a condenação dos irmãos por homicídio triplamente qualificado, sendo motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Defesa

Em nota, a defesa dos irmãos informou que provará no Tribunal do Júri que a causa da morte da vítima não foi em decorrência das supostas agressões. Leia na íntegra:

“A defesa dos irmãos, patrocinada pelo Advogado Jeffrey Chiquini, provará que a causa da morte de Célio não foi em decorrência das supostas agressões, que em verdade não ocorreram. Todas as provas já juntadas no processo demonstram que os irmão não deveriam ter sido denunciados pela morte de Célio.  Confiamos na sociedade paranaense, a quem compete o julgamento do processo, e acreditamos no reconhecimento da inocência e absolvição dos irmãos.”