O homem que gravou a prisão de Diego Gasques Alemão e dois advogados, que teriam oferecido R$ 50 mil para não divulgarem imagens da prisão do ex-BBB após um acidente de trânsito, em Curitiba, foram indiciados pela Polícia Civil. Eles estão sendo acusados pelos crimes de extorsão, associação criminosa e fraude processual.

Diego Alemão ao lado do advogado Jeffrey Chiquini – Foto Banda B

“Verificou-se que de maneira sutil, os advogados, juntamente com seu cliente, deram a entender que caso houvesse o pagamento, não iriam expor ainda mais a outra parte contrária, além de que o cliente, DANIEL, passaria a testemunhar a favor de DIEGO, em evidente tentativa de ludibriar a justiça”, diz o delegado Marcelo Magalhães Pereira no inquérito policial.

Os três indiciados foram presos em flagrante, no dia 22 de abril, por tentativa de extorsão contra o ex-BBB. Eles teriam entrado em contato com o advogado de Alemão, Jeffrey Chiquini, e ofereceram o dinheiro. A Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) de Curitiba acompanhou toda a negociação e realizou os flagrantes no momento em que o crime foi configurado.

Daniel Alves, a testemunha que registrou as imagens, e os advogados Maurício Tesserolli e Walter Fontes foram soltos e respondem em liberdade.

Defesas

Chiquini, que defende o ex-BBB, afirma que as investigações provaram que ele foi procurado pelos acusados e não o contrário, como teriam alegado os indiciados em um primeiro momento. “Em um primeiro momento, os investigados chegaram a suscitar que a defesa de Diego Alemão os procurou, mas ficou provado que na verdade, essa defesa é quem foi procurada por eles. Ficou provado também que os investigados exigiriam valores indevidos para não divulgarem imagens comprometedoras de Diego Alemão”, concluiu o advogado.

A defesa de Daniel e Maurício, o advogado Ygor Nasser Salah Salmen, afirma que a decisão de indiciamento foi recebida sem qualquer surpresa. Leia a nota na íntegra:

“Na qualidade de procurador do advogado de Maurício Gomes Tesserolli e da pessoa de Daniel Alves, informo que a decisão de indiciamento da autoridade policial foi recebida com naturalidade e sem qualquer surpresa. Há um trabalho defensivo sério sendo realizado, o Ministério Público tem plena ciência de todos os detalhes do processo e não existem elementos para eventual denúncia. Por fim, lembro – mais uma vez – que atuar na área criminal exige seriedade, idoneidade e responsabilidade. Todos os envolvidos nesta fraude processual, serão responsabilizados no âmbito civil, administrativo e criminal, principalmente por terem induzido diversas autoridades em erro”.

O acidente

Diego Alemão foi preso após acidente ocorrido no fim da madrugada do dia 18 de abril, na Rua João Alencar Guimarães, no bairro Santa Quitéria. O ex-BBB dirigia uma Mitsubishi Pajero e bateu contra o Renault Fluence do motorista de aplicativo Fabio Rosário, que estava estacionado. Após um princípio de confusão, Alemão acabou preso pela Polícia Militar e foi levado à Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran). Ele permaneceu detido por aproximadamente 30 horas.

Alemão foi indiciado por embriaguez ao volante, lesão corporal, ameaça e desacato no dia 22 de maio.