Daniel esteve no aniversário de 17 anos de Allana

Suspeito de participar das agressões contra Daniel Correa Freitas, de 24 anos, David Willian da Silva, de 18 anos, disse que o jogador tentou apelar para a amizade com Allana Brittes para tentar evitar que algo mais grave acontecesse. Em depoimento prestado à Delegacia de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, o investigado disse que Daniel, depois de ser tirado do quarto de Cristiana Brittes aos socos e pontapés, caiu em frente à garagem e apenas murmurava “sou amigo da Allana”.

Daniel e Allana eram conhecidos há pelo menos um ano. Fotos mostram que ele esteve no aniversário de 17 anos da jovem e retornou neste ano para a festa de 18.

David e Ygor King, de 19 anos, estão presos e prestaram depoimento nesta sexta-feira (9). Ambos foram transferidos à carceragem do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) para evitar qualquer tipo de contato com Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, de 19 anos, que foi trazido de Foz do Iguaçu durante a noite. Os três estariam com Edison Brittes Junior no carro que levou Daniel até a Colônia Mergulhão, local em que o corpo foi encontrado.

Segundo o depoimento, Daniel estava de cueca e a intenção ao deixarem a casa de Edison era a que o jogador apenas passasse vergonha no meio da rua. “Edison colocou Daniel no porta-malas, auxiliado pelos irmãos Purkote e Eduardo. Daniel com certeza estava vivo, pois apenas resmungava tentando dizer algo que não era entendido”, descreveu.

David diz ainda que Edison apontou para que ele, Ygor e Eduardo entrassem no veículo Veloster. O suspeito diz que Edison “ficou descontrolado” após ver algo em um celular. “Todos no carro ficaram em pânico, porque a vítima já tinha o que merecia”, disse no depoimento.

Defesa dos Brittes

Para o advogado da família Brittes, Claudio Dalledone, os depoimentos de Ygor e David confirmam o relato de Edison. “O Edison, quando foi interrogado pela autoridade, detalhou como tudo aconteceu. Há uma questão defensiva nos depoimentos de ontem, de que os dois foram coagidos, mas testemunhas colocadas em bloco, instruídas pelo mesmo corpo de advogados, não possuem toda essa credibilidade. Quero colocar em xeque alguns depoimentos, principalmente o desse filho de político importante, porque parte da verdade está sendo omitida. Eles estão ali para colocar toda uma carga acusatória em cima do Edison”, disse Dalledone.

O advogado voltou a reafirmar que uma tentativa de estupro teria motivado o crime. “Ele era um atleta, acostumado a beber e não estava completamente embriagado como apontado. O Daniel tinha condições de fazer o que fez e construiu um criminoso ao tentar estuprar a mulher dele”, concluiu.

Indiciados

Após os depoimentos da semana, a Delegacia de São José dos Pinhais deve indiciar seis pessoas: Juninho, Cristiana, Deivid, Igor, Eduardo e a jovem Allana Brittes. Todos irão responder por homicídio qualificado, incluindo Cristiana e Allana, que não participaram diretamente da morte. O delegado Amadeu Trevisan explicou que as duas seguem presas por terem coagido testemunhas, tanto em no encontro em um shopping da cidade, quanto na casa de uma delas.

Mais pessoas que estavam na festa, como a esposa de Eduardo, ainda serão ouvidos na delegacia, mas até o momento não aparecem como investigados no caso.

O caso

O jogador Daniel Correa Freitas, de 24 anos, foi encontrado morto na manhã de 27 de outubro, na zona rural de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Ex meia de Coritiba e São Paulo, ele atualmente atuava no São Bento, time da série B do Campeonato Brasileiro. De acordo com a polícia, ele estaria em uma festa e morreu após enviar fotos de Cristiana Brittes para amigos em um grupo de WhatsApp. Todos os seis que serão indiciados estão presos.