O suspeito de ter matado um jovem com idade entre 20 e 24 anos após uma discussão, na manhã do último sábado (14), se apresentou à delegacia, na tarde desta segunda-feira (16), prestou depoimento ao lado do advogado e afirmou que apenas teria empurrado a vítima. O homem foi encontrado morto na rua Nicola Pellanda, no bairro Pinheirinho, em Curitiba.

À Banda B, o advogado do suspeito, José Valdeci de Paula, disse que a reação de seu cliente, de 31 anos, se deu por causa de uma tentativa de agressão contra ele. “Esse rapaz, que é vítima, veio até meu cliente para tentar agredi-lo. Meu cliente, para repelir a injusta agressão, empurrou o cidadão que lamentavelmente tropeçou na corrente, caiu e bateu a parte de trás da cabeça no asfalto”, explicou.

Na sequência, o suspeito teria acionado a Polícia Militar e o socorro médico, porém deixou o local antes da chegada deles. O advogado contou que seu cliente teria ficado bastante nervoso com a situação e por isso foi embora.

Foto: Daniela Sevieri/Banda B

“Ele prontamente acionou a polícia e o socorro para tentar reanimá-lo, mas infelizmente o fato terminou de forma trágica. Depois de acioná-los, ele se retirou do local porque estava muito nervoso e já me procurou na própria manhã do sábado”, afirmou José. E disse que o contato com a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi feito no mesmo dia do ocorrido: “Agendamos para ele se apresentar hoje”.

O suspeito não possui antecedentes criminais.

Motivação

José Valdeci de Paula disse durante entrevista à Banda B que seu cliente estava incomodado com a vítima por ele ter dado em cima da esposa, que tem um carrinho de cachorro-quente na região.

“Esse cidadão já estaria importunando a esposa dele durante a madrugada, já apresentando sinais de embriaguez ou até mesmo um possível consumo de entorpecentes”, destacou.

Crime

A Polícia Militar foi acionada na manhã do sábado (14) para atender uma briga no bairro Pinheirinho, em Curitiba. No local, encontraram um homem morto e constataram que ele apresentava um ferimento na cabeça.

“Havia um ferimento na cabeça que corresponde exatamente com a cinemática da queda. Não tem nenhum outro indício de lesão, mas a suspeita é de que houve um entrevero. A gente vai investigar agora”, afirmou o delegado da Delegacia de Homicídios, Claudio Marcos Rolin e Silva, no dia da ocorrência.

Uma ambulância foi chamada até o local, fez manobras de reanimação, mas o jovem não resistiu.

A DHPP segue investigando o caso em inquérito policial.

A reportagem da Banda B entrou em contato com a família do jovem que morreu, mas não obteve retorno. Contudo, o espaço segue aberto para manifestações.