Onze motociclistas foram presos nesta quarta-feira (28) pela Polícia Civil do Paraná (PCPR) na Operação “Cronos”, que desarticulou uma quadrilha especializada em roubos de relógios de luxo. Os crimes aconteceram no Centro e em bairros nobres de Curitiba. Outros quatro pessoas estão sendo procuradas.

O delegado-adjunto da Delegacia de Furtos e Roubos, Victor Loureiro, contou que havia um líder paulista que orientava a ação dos motociclistas na busca por possíveis vítimas em sinaleiros de Curitiba. “Um homem, que é de São Paulo, orientava a ação do grupo que rodava pelas ruas de bairros nobres em busca de pessoas em carros de luxo, geralmente com o vidro aberto e braço para fora, usando relógios de luxo. Eles sabiam identificar se o relógio era de valor ou não olhando de longe. Abordavam utilizando arma e obrigavam a entregar o objeto”, afirmou o delegado.

Apresentação da quadrilha – Foto: PC/PR

Ao todo 38 mandados judiciais foram cumpridos simultaneamente em Curitiba, Paranaguá, São Paulo (SP) e Taboão da Serra (SP), sendo 14 de prisão preventiva, um de prisão temporária e 23 de busca e apreensão.

O grupo criminoso age de forma semelhante em todos os crimes. A maioria dos roubos acontece enquanto as vítimas estão dentro de seus veículos parados em congestionamentos.

Ação na avenida Pedro Viriato Parigot de Souza

Uma das ações do bando, que aconteceu no dia 10 de agosto deste ano, na avenida Pedro Viriato Parigot de Souza, foi filmada e viralizou nas redes sociais. Nas imagens, é possível ver claramente um indivíduo em cima de uma motocicleta, dando voz de assalto em posse de um revólver e roubando um relógio da marca Rolex do condutor de veículo parado no trânsito.

“Este motociclista que aparece nas imagens já foi identificado, mas ainda não foi preso. Eles usavam o disfarce de entregadores de aplicativos de comida para não despertar desconfiança por parte das vítimas e da polícia. Mas ressaltamos que, nos seis meses de investigação, não encontramos nenhum indício de participação das empresas de aplicativo nesta ação criminosas. Era apenas um disfarce”, afirmou o delegado Marcelo Magalhães.

Um dos suspeitos usava um andador por ter sido atropelado durante uma tentativa de roubo – Foto: PC/PR

Um dos presos apresentados pela polícia estava usando um andador. Segundo a polícia, o motivo seria um atropelamento sofrido por ele. “Um dos motoristas de uma BMW percebeu a ação e atropelou o suspeito no bairro Batel, evitando assim o roubo. Por isso ele está usando o andador”, completou o delegado Magalhães.

Por que Curitiba?

Segundo o delegado Magalhães, Curitiba foi escolhida pelo grupo que veio de São Paulo por causa do alto poder aquisitivo e também na sensação de segurança dos motoristas.

“Curitiba foi escolhida pelo alto poder aquisitivo da população, com muitos motoristas usando relógios de luxo. Ao mesmo tempo, como aqui há uma sensação maior de segurança, muitas pessoas não têm carro blindado e acabam andando com vidros abertos, ao contrário de cidades como São Paulo e Rio onde é mais comum os motoristas se protegerem”, explicou.

A polícia disse que deve identificar os receptadores em uma próxima fase da operação.

Em Curitiba, as buscas acontecem nos bairros Boa Vista e Uberaba. Em Paranaguá, no bairro Jardim Iguaçu. No município de Taboão da Serra (SP), os mandados serão cumpridos nos bairros Campo Limpo, Jardim Santa Cruz, Jardim Umarizal, Jardim Iguaçu, Jardim Bom Tempo, Jardim Paris, Jardim Vale das Virtudes, Parque Lígia e Parque São Joaquim. Por fim, em São Paulo (SP) serão cumpridos mandados no bairro Jardim Duarte.

Total de apreensões

Motos – 6
Celulares – 14
Relógios – 4
Revólver 38 – 1
Algumas munições
Capacetes – 9
Caixas de entrega – 3