Da AEN

(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

O que parecia mais um roubo a ciclistas na BR 277, no Paraná, sofreu uma reviravolta esta semana com a prisão de uma quadrilha especializada em roubar bicicletas importadas. A solução do crime e a prisão dos envolvidos se deu com a intervenção do Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), grupo de elite da Polícia Civil.

O caso começou no dia 11 de janeiro, quando um ciclista teve a sua bicicleta roubada por um indivíduo armado próximo à praça de pedágio no caminho das praias.

Além do boletim de ocorrência, a vítima postou nas redes sociais um pedido de informações sobre eventual paradeiro da bicicleta, avaliada em R$ 15 mil.

Logo em seguida, passou a trocar mensagens com um rapaz que dizia ter visto a bicicleta na região do Bairro Uberaba, em Curitiba, e se dispôs a recuperá-la desde que a vítima lhe pagasse uma gratificação. O pedido inicial foi de R$ 1 mil, mas ao verificar o valor da bicicleta, os criminosos subiram o preço do resgate para R$ 2,5 mil.

Assim, orientado por policiais civis, foi marcado um encontro para a devolução da bicicleta e pagamento em dinheiro da “recompensa”.

Contudo, a negociação sofreu uma reviravolta em razão das diligências efetuadas por policiais do Tigre. Três suspeitos (um deles menor de idade) foram identificados e ouvidos, indicando, na verdade, tratar-se de uma quadrilha especializada em roubar bicicletas de ciclistas que treinam na BR 277, para posteriormente exigirem um “resgate” pela devolução das mesmas, por meio de contatos feitos pelo Facebook.

Um dos suspeitos confessou ter assaltado a vítima na rodovia, apontando-lhe a arma e o outro, aquele que negociava a devolução, admitiu fazer parte do esquema. Com o adolescente foi apreendida a arma utilizada no roubo (um revólver calibre 22), além de drogas.

Segundo relatado pela vítima, trata-se de uma situação que aflige os diversos ciclistas que utilizam a BR 277. “O pessoal do pedal, que treina em longas distâncias, eventualmente faz triatlo, tem a necessidade de usar as rodovias e acabam ficando vulneráveis aos bandidos. Por isso, a dica é tentar evitar o horário mais comum de treinos, ainda de madrugada, e escolher um período de mais movimento. Outra sugestão é pedalar em grupos”, indicou o delegado do Tigre, Cristiano Quintas. Ele explicou que alguns ciclistas têm descaracterizado as bicicletas, pois os criminosos já aprenderam a identificar os equipamentos que possuem elevado valor.

Se houver o roubo, a orientação é para a vítima procurar a polícia a fim de registrar o Boletim de Ocorrência e receber orientações específicas para esse tipo de crime. “No caso de receber algum contado, o ideal é conduzir qualquer negociação com o auxílio da polícia, sob o risco de a pessoa ser vítima de mais um crime, ficando sem o dinheiro do resgate e sem a bicicleta”, acrescentou o delegado.

Após a solução deste caso, as investigações prosseguirão pela Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba, a fim de identificar outras vítimas do esquema criminoso que foi apurado.