Eduardo se apresentou, mas não prestou depoimento (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

 

Mais um dos convidados da festa que terminou com a morte do jogador Daniel Correa Freitas, de 24 anos, tentou se apresentar à Delegacia de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, no começo da tarde desta segunda-feira (5). Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, de 19 anos, é primo de Cristiana Brittes, de 35, e veio para a Grande Curitiba na ocasião apenas para participar da festa de aniversário de Allana Brittes, de 18 anos.

De acordo com o advogado Edson Stadler, Eduardo é morador de Foz do Iguaçu e está se colocando à disposição para dizer tudo o que sabe sobre o crime. “No dia do crime, o Eduardo estava não só na festa, como no carro [que supostamente deixou a casa com a intenção de matar Daniel]. Então ele tem informações relevantes e quer retratar para a polícia o que viveu, viu e o que sabe sobre o crime”, disse.

Eduardo chegou a conversar com o delegado responsável pelo caso, Amadeu Trevisan, mas como a agenda de depoimentos está bastante comprometida, o interrogatório dele foi marcado para a tarde da próxima quinta-feira (8). Entre os compromissos desta segunda na delegacia, está o depoimento de Cristiana.

Daniel morreu aos 24 anos (Divulgação)

Questionado sobre o caso, Stadler disse que prefere esperar o interrogatório. “Eu tenho por hábito que a primeira pessoa a tomar conhecimento da situação deve ser a autoridade policial. Mas posso adiantar que ele veio exclusivamente para o evento e desgraçadamente participou desses fatos”, concluiu.

Mais envolvidos

Outros dois suspeitos de participação no crime brutal, David Willian Villero Silva, de 18 anos, e Igor King, de 20, também já foram identificados pela polícia. O advogado deles, Roberto Domacoski, esteve na delegacia nesta manhã também para definir como os depoimentos irão ocorrer. “Eles estão apavorados porque nunca passaram por isso. São meninos novos, estão sem comer desde a data, ainda em choque. Não houve participação deles no crime. Nossa intenção é que eles colaborem com o que aconteceu e ajudem a elucidar, trazendo a verdade”, disse o advogado à Banda B.

Presos

Os depoimentos começaram por volta das 14 horas com os três envolvidos presos. Já estão na delegacia, os advogados da família Brittes, Cláudio Dalledone e Renan Canto. Não há ordem concreta de início dos depoimentos, mas fontes da Banda B informaram que Edison Brittes Júnior, que confessou o crime, deverá ser ouvido por último, por estratégia.

Dalledone voltou a criminalizar a atitude do jogador. “Se teve, se estava em cima ou não estava em cima, eles (testemunhas) é que vão dizer. A versão deles é clara nesse sentido e não podemos perder de vista uma situação – houve uma alteração na legislação. Mesmo que não tivesse ocorrido essa tentativa de estupro, que eles afirmam em alto e som que houve, lembrem que a importunação sexual foi criminalizada e colocar, enviar, remeter, divulgar, compartilhar fotos com cunho sexual é crime apenado com cinco anos de reclusão”, afirmou.